• Visualizações 203

Cirurgia para diabetes existe e é semelhante à bariátrica

Os efeitos da diabetes já são realidade na vida de 13 milhões de brasileiros, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Mas o que muita gente desconhece é que existe uma cirurgia capaz de curar a doença. Chamada de cirurgia metabólica, ela é realizada da mesma forma que a cirurgia bariátrica. O que muda é o objetivo final.

“Enquanto a bariátrica foca na perda de peso, a metabólica tem como propósito controlar a diabetes. Mas toda a manobra cirúrgica ocorre da mesma maneira, com as mesmas técnicas de redução do estômago, anestesia geral e cuidados pós-operatórios”, esclarece o cirurgião geral Dr. Fábio Strauss.

Dr. Fábio Strauss

Entenda o tratamento

Dr. Strauss explica que uma das principais causas da diabetes é a obesidade, que promove alterações de microcirculação e processos inflamatórios em todo o organismo.

“A partir da perda de peso facilitada pela redução do estômago, a cirurgia metabólica diminui todos esses efeitos e, em muitos casos, é capaz de curar a diabetes, ou proporcionar uma melhora significativa em pacientes com diabetes difíceis de controlar, que chegam a usar insulina mais de cinco vezes no mesmo dia”, detalha.

Quem pode fazer

Os parâmetros regulamentados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre quem tem indicação para uma cirurgia metabólica incluem pacientes com mais de 30 anos e no máximo 70 anos de idade; pacientes com Índice de Massa Corporal (IMC) superior a 30 kg/m²; e pacientes que tenham comparecido ao endocrinologista por no mínimo dois anos.

Recuperação

A cirurgia metabólica pode ser realizada por videolaparoscopia, a forma minimamente invasiva de operar, seguindo as técnicas sleeve ou bypass. São necessários apenas alguns microcortes no abdômen e a recuperação é mais tranquila e segura.

Em apenas 48 horas, o paciente pode ter alta do hospital. O retorno ao trabalho com atividades leves será liberado em 15 dias. Já para a academia, o intervalo se estende por 30 dias, na maior parte dos casos.

Acompanhamento

Os benefícios da cirurgia não dependem somente da operação hospitalar. O acompanhamento multidisciplinar a longo prazo é fundamental, especialmente com profissionais da nutrição e endocrinologia, para ajustar a dieta e orientar a diminuição gradativa das medicações para a doença.

“Nenhuma cirurgia faz milagres, os cuidados pós-operatórios são primordiais para garantir os benefícios de saúde. Se o paciente voltar a ganhar muito peso, a diabetes vai piorar novamente”, alerta o especialista.

Compartilhar

DNIT avança na construção e reforma de três passarelas na BR-116/RS

Avançar »

Imprensa internacional repercute relatório da CPI da Covid

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*