• Visualizações 589

Em ratos, uso de choques em artérias estanca hemorragias em poucos segundos

Segundo especialistas, choques poderiam estancar sangramento e salvar vidas de soldados feridos. Próxima fase do estudo terá porcos como cobaias. 

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Cientistas do setor de pesquisas médicas do Exército israelense, em conjunto com estudiosos de universidades em Israel e nos Estados Unidos, estão desenvolvendo um novo método para estancar sangramentos que se baseia no uso de choques elétricos de alta tensão.

Acredita-se que os choques, aplicados na pessoa ferida, poderiam estancar sangramentos graves em segundos. Segundo o bioengenheiro Yossi Mandel, um dos autores da pesquisa, a técnica, ainda na fase de testes, pode salvar vidas de soldados no campo de batalha e revolucionar a medicina.

“Nosso método irá ajudar tanto os cirurgiões de fígado e de baço nos hospitais quanto enfermeiros militares em situações de guerra”, disse Mandel, que dirigiu o setor de pesquisas médicas do Exército israelense durante sete anos.

O experimento, feito por enquanto em ratos, diminui drasticamente o sangramento de artérias, veias e de órgãos internos com tendência a hemorragias graves, como o fígado e o baço, por meio de choques elétricos extremamente rápidos, medidos em unidades de microssegundos (0,000001 segundo) a milissegundos (0,001 segundo).

“Quando se corta a artéria da virilha do rato, ele pode morrer em alguns minutos. Mas a aplicação dos choques estanca o sangramento em poucos segundos”, afirmou Mandel, acrescentando que a corrente elétrica também pode estimular o processo de coagulação.

Vácuo na medicina

Ainda segundo o pesquisador, desde que foi desenvolvido o torniquete, soldados quase já não morrem de sangramento nos braços ou nas pernas. No entanto, sangramentos no fígado e em regiões delicadas, como as axilas, são mais difíceis de estancar e requerem outras técnicas, diz Mendel. A próxima fase do estudo terá porcos como cobaias.

Informações de ultimo segundo 

FOTO: ilustrativa / areaesag

Compartilhar

Obesidade é herdada através do esperma, diz estudo

Avançar »

Padilha diz que Brasil constrói novo ciclo de desenvolvimento em saúde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*