• Visualizações 1004

Cientistas brasileiros desenvolvem vacina contra esquistossomose

Descoberta é um grande feito dos cientistas brasileiros, uma vez que a doença tem potencial para atingir  800 milhões de pessoas expostas aos riscos de contágio no Brasil, nos países africanos e na América Central.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O Brasil criou e vai produzir a vacina contra esquistossomose, doença crônica causada pelo parasita Schistosoma encontrado em áreas sem saneamento básico.

A Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz, divulgou nesta terça-feira, dia 12 no Rio de Janeiro, os resultados dos testes clínicos de segurança da vacina desenvolvida pelo Laboratório Esquistossomose Experimental do Instituto Oswaldo Cruz – IOC/Fiocruz.

De acordo com a avaliação feita, a descoberta, é um grande feito dos cientistas brasileiros, uma vez que a doença afeta 200 milhões de pessoas em áreas pobres e tem potencial para atingir um universo de 800 milhões de pessoas expostas aos riscos de contágio no Brasil, nos países africanos e na América Central.

A esquistossomose é considerada pela Organização Mundial da Saúde – OMS como a segunda doença parasitária mais devastadora, atrás apenas da malária. “É uma doença dos países pobres, associada à miséria”, resume Miriam Tendler, chefe do Laboratório Esquistossomose Experimental. Segundo a pesquisadora, além de eficiente, “é uma vacina segura”. Os testes em larga escala serão feitos no Brasil e na África.

As pesquisas para produção da vacina contra esquistossomose tiveram início em 1975 na Fundação Osvaldo Cruz. Na primeira década, os cientistas brasileiros conseguiram identificar o princípio ativo que poderia exercer efeito farmacológico contra o parasita. Na segunda década, foi identificada a proteína (S14), também presente em outros parasitas. Essa constatação dá a possibilidade de se produzir uma vacina polivalente.

A esquistossomose, também conhecida no meio científico como bilharzíase, é causada por seis espécies do parasita Schistosoma. O ciclo típico da doença tem início com a contaminação da água por fezes humanas infectadas com ovos do parasita transformados em miracídios. Essas larvas contagiam caracóis, se multiplicam, voltam à água e infectam as pessoas pela pele.

As pessoas contaminadas podem sentir dores de cabeça, fraqueza, falta de ar, dor abdominal, diarreia e tosse com sangue. A doença pode afetar o fígado, os rins, a bexiga, os pulmões, a medula e o cérebro e levar à morte. O tratamento é feito com medicamentos antiparasitários. Mesmo após o tratamento é possível nova contaminação.

Informações de Agência Brasil

FOTO: ilustrativa / medicosbemviver

Compartilhar

Contra a gripe: Na reta final, Campanha de Vacinação não deve ser prorrogada em Novo Hamburgo

Avançar »

Ministério da Saúde quer usar redes sociais para aumentar número de doadores de sangue no país

Um comentário

  1. ernani jose da silva
    12 de junho de 2012

    Parabéns aos cientistas do Brasil e nossa gratidão de cidadão. São pessoas assim que trazem eaperança para o mundo.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*