• Visualizações 575

“Temos que fazer mais com o que nós temos”, diz ministro da Saúde sobre corte no orçamento

Pasta terá R$ 5,473 bilhões cortados. Padilha, no entanto, promete preparar parcerias para “executar bem” os recursos.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O Ministério da Saúde tem o maior volume de recursos desde 2000, com aumento de 17% em relação ao do ano passado. É o que afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha (foto), ao comentar os cortes no Orçamento Geral da União de 2012.

Leia Mais

Ministério mais afetado por corte de R$ 55 bilhões no Orçamento da União é o da Saúde

A declaração foi feita nesta quinta-feira, dia 16. Os ministérios da Saúde, das Cidades e da Defesa foram os mais afetados pelo corte de R$ 55 bilhões no Orçamento Geral da União, segundo números divulgados na quarta, 15. Apenas nessas três pastas, o bloqueio de verbas soma R$ 12,114 bilhões. Na Saúde, serão cortados R$ 5,473 bilhões. O volume de recursos foi reduzido de R$ 77,582 bilhões para R$ 72,110 bilhões.

“Vamos trabalhar muito para executar esses recursos”, disse, ao participar do programa Bom Dia, Ministro. “Eu, como ministro da Saúde, não tenho que ficar esperando os recursos virem do céu. Temos que fazer mais com o que nós temos, temos que fazer com que esses recursos sejam mais bem aplicados, combinando [isso] ao combate ao desperdício de recursos na saúde.”

De acordo com o ministro, em 2011, a pasta chegou a economizar R$ 1,7 bilhão, por meio de medidas como a centralização da compra de medicamentos e o combate a fraudes. O montante, segundo ele, possibilitou a criação do programa Saúde Não Tem Preço, que distribui remédios gratuitos para combater a hipertensão e o diabetes.

“Teremos, para 2012, o maior aumento que a saúde já teve desde o ano 2000, o maior aumento percentual desde que foi criada a Emenda Constitucional 29 e um valor acima do que estava estabelecido como obrigação do governo federal”, declarou. “Precisamos, agora, preparar as parcerias com os estados e municípios, para executar bem esses recursos, fiscalizar cada vez melhor, combater qualquer tipo de desperdício e fazer mais com o que nós temos.”

Informações de Agência Brasil

FOTO: Elza Fiúza / ABr

Compartilhar

Entra em vigor resolução que proíbe aos médicos usar redes sociais para angariar clientes

Avançar »

Professora de Nutrição, Farmácia e Gastronomia alerta para riscos de comer na beira da praia

sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*