Especialista diz que mudança no perfil nutricional é tendência natural

A população passou do estado de desnutrição para o sobrepeso e de acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria e é necessário a criação de medidas educativas voltadas para toda a população, ensinando forma correta de se alimentar.

As constatações de que o perfil nutricional do brasileiro mudou nos últimos anos – passando de um estado de desnutrição para o de sobrepeso – refletem uma tendência natural, na avaliação do vice-presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Fábio Ancona Lopez.

“Isso reflete um fenômeno chamado transição nutricional”, avalia Lopez, que relaciona a mudança com a urbanização e a modernização da sociedade. 

Pesquisa divulgada nesta quinta-feira, 19, pelo Ministério da Saúde aponta que o principal indicador de desnutrição infantil caiu 75%, mas isso não significa que elas estejam se alimentando da maneira correta.

O vice-presidente da SBP é a favor da criação de medidas educativas voltadas para toda a população com o intuito de tentar melhorar a alimentação das crianças. Ele cita ainda que, com a vida moderna, poucas mães podem deixar de trabalhar para ficar em casa e assumir apenas tarefas domésticas como cozinhar diariamente. Esse fator também contribui para que as famílias acabem comendo mais alimentos industrializados e calóricos.

Os dados do Ministério da Saúde mostram que em 29 anos, aumentou em 82,2% o Índice de Massa Corporal (uma relação entre o peso e a altura) de jovens do sexo masculino com idade entre 10 e 19 anos.

De acordo com o pediatra, é importante tomar cuidado nessa faixa etária porque caso a criança já tenha passado pela fase de crescimento é mais difícil intervir. “Quando o adolescente já parou de crescer isso fica mais difícil porque você tem que pegar um adolescente de 17 ou 18 anos e fazer uma dieta de adulto para perder peso”, pontua Lopez.

Fábio Lopez recomenda ainda a prática regular de exercícios físicos aliada a uma alimentação equilibrada, mas reconhece a importância de uma mobilização maior. “Tem que haver uma campanha dirigida a toda população para que o trabalho de conscientização comece a apresentar resultados.”

 

Informações ABr

Compartilhar

Pesquisadora diz que o país investe pouco e mal na saúde pública

Avançar »

SES assina com prefeituras gaúchas convênios no valor de R$ 1,2 milhão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*