• Visualizações 714

Dilma convoca reunião ministerial e prepara mensagem sobre programas sociais

Presidente se reuniu durante o jogo do Brasil com alguns de seus ministros. Em meio à crise, encontro desta segunda-feira, dia 1°, às 16 horas, tem pauta extensa.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A presidente Dilma Rousseff marcou para esta segunda-feira, às 16 horas, uma reunião com todos os ministros para passar à população a mensagem de que o governo não está parado, e que os programas sociais continuam funcionando a todo vapor.

Dilma também aproveitará para discutir com todos os seus auxiliares as iniciativas que anunciou na última segunda-feira e que integram o que chamou de cinco “pactos pelo Brasil”: um de responsabilidade fiscal, um de reforma política e combate à corrupção, um de saúde, outro de educação e, finalmente, um sobre transporte coletivo.

A presidente se reuniu na tarde deste domingo com alguns ministros. Ela pretende enviar já nesta semana a mensagem presidencial pedindo a convocação do plebiscito para fazer a reforma política. Com isso em mãos, o Congresso publicará um decreto legislativo e dará início ao processo de consulta popular.

Dilma ainda não divulgou as perguntas que deverão ser feitas à população. Hoje, ela recebeu o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para tratar do plebiscito. O governo ficou satisfeito com o resultado da pesquisa Datafolha que indicou que 68% dos brasileiros são favoráveis à consulta popular.

Equilíbrio fiscal

A mensagem que deverá passar aos ministros é que o governo está atento aos apelos das ruas, trabalha para atender às novas reivindicações, mas sem se descuidar do equilíbrio fiscal e das conquistas asseguradas na área social. A reunião ministerial marca o momento mais delicado da gestão da presidente Dilma, cuja popularidade está caindo. Há crise na economia e protestos nas ruas por mais e melhores serviços públicos.

O compromisso com o equilíbrio das contas públicas foi enfatizado pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista publicada hoje no GLOBO. Ele afirmou que haverá cortes nos gastos de custeio para compensar despesas adicionais que surgiram em função de novas demandas e não descartou aumento de impostos, se necessário.

Dilma deverá fazer uma recomendação expressa para que os programas sociais não sejam descontinuados em decorrência das novas demandas. A ideia é mostrar que o governo não está parado por causa da crise e os programas sociais continuam funcionando a todo vapor.

Médicos estrangeiros

Dando prosseguimento a uma das medidas anunciadas pela presidente Dilma para melhorar a saúde, o programa “Mais Médicos”, que pretende contratar profissionais estrangeiros da área para trabalhar no interior do Brasil, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que vai se reunir esta semana com os governadores e com os prefeitos para definir o edital de contratação desses profissionais.

Ele explicou que o edital elaborado pelo Ministério da Saúde será baseado na experiência internacional. Padilha participou de reunião com a presidente na tarde deste domingo no Palácio da Alvorada.

“O edital primeiro será para a chamada dos médicos brasileiros. Os médicos estrangeiros só vão para as vagas não ocupadas pelos médicos brasileiros,” garantiu.

Outra prioridade do ministro esta semana é chamar os secretários estaduais e municipais em Brasilia para acelerar os recursos do governo federal para os hospitais. Ele disse que o objetivo é ter melhores hospitais, mais infraestrutura e mais UPAs 24 horas. Alexandre Padilha afirmou ainda que mais de 20 mil unidades básicas estão sendo reformadas e ampliadas.

O ministro disse que a reforma política não foi discutida na reunião com a presidente. Ao ser perguntado como estava a presidente Dilma Rousseff depois do resultado da pesquisa Datafolha, o ministro disse que a presidente “está bem, muito bem”.

“Sempre sensível ao que vem das ruas. Eu acho que não só o governo federal mas a presidente Dima têm demonstrado que o Brasil é um país democrático onde tem manifestação, o governo federal e a presidente Dilma busca reagir construir e absorver as propostas que vêm da população e dar alternativas,” disse ele.

Informações de O Globo

FOTO: reprodução / Givaldo Barbosa / O Globo

Compartilhar

Deputado foragido, Natan Donadon se entrega à Polícia Federal

Avançar »

Justiça “está sempre preparada”, diz Cármen Lúcia sobre plebiscito

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*