• Visualizações 1066

Dilma realiza reunião com ministros sobre os efeitos de protestos

Presidente Dilma Rousseff recebe Ministro da Justiça e outros ministros para uma avaliação dos protestos. Em razão das manifestações, Dilma Rousseff decidiu mudar agenda.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião de emergência, que começa às 9h30min desta sexta, dia 21.

A presidente Dilma Rousseff vai receber o Ministro da Justiça e outros ministros para uma avaliação dos protestos. Por causa das manifestações, da onda de violência, Dilma Rousseff decidiu mudar a agenda. Cancelou a viagem ao Japão e uma outra a Salvador.

Em Brasília, por causa da ação de baderneiros, houve confronto e muito tumulto. Eles foram para o Congresso munidos de faixas e cartazes. Aos poucos, o gramado e as pistas em volta foram tomados. Segundo a Polícia Militar, 35 mil pessoas.

Os manifestantes eram contra a PEC 37, que limita os poderes de investigação do ministério Público, contra a corrupção e uso do dinheiro público na Copa. Pediram também transporte público de qualidade.

Na segurança, 3.500 policiais. Dessa vez, o cordão de isolamento foi maior: além de ficarem em frente ao espelho d’água do congresso, os PMs  se posicionaram nas laterais, para evitar uma nova ocupação da marquise. Bloquearam as pistas que dão acesso à Praça dos Três Poderes.

Mesmo assim, uma parte correu em direção ao palácio do planalto e tentou furar a barreira. A presidente Dilma Roussef estava no prédio, que foi protegido pelo exército e pelo batalhão da guarda presidencial. A cavalaria e a Tropa de Choque impediram a passagem.

Alguns jovens usaram sinalizadores.  O clima ficou tenso quando um pequeno grupo jogou rojões nos policiais. Atitude condenada por muitos manifestantes. A PM usou gás de pimenta e bomba de efeito moral.

Manifestações

Mesmo após a redução em série das tarifas de ônibus, principal reivindicação dos protestos que tomaram conta do país, novos atos levaram mais de 1 milhão de pessoas às ruas em cerca de cem cidades. Nesta sexta há previsão de atos em cerca de 60 municípios.

No 14° dia de manifestações, cenas de violência e vandalismo foram registradas em 13 das 25 capitais, que tiveram protestos. Ocorreram ataques ou tentativas de invasão a órgãos dos Três Poderes em nove cidades. Ações de repúdio a partidos políticos foram recorrentes.

O Movimento Passe Livre – MPL emitiu nota no início da madrugada desta sexta-feira em repúdio aos atos de violência contra partidos políticos durante as manifestações. Às 20 horas, mais de 110 mil pessoas se reuniam na avenida Paulista, segundo o Datafolha. Petistas foram expulsos do ato, que reuniu 110 mil pessoas às 20 horas, segundo o Datafolha.

Informações de Terra / Globo
FOTO: reprodução / correio braziliense

Compartilhar

Congresso restringe acesso em função de manifestações

Avançar »

Reunião de Dilma com ministro da Justiça debate sobre manifestações no Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*