• Visualizações 502

Julgamento do mensalão: Marco Aurélio vota por redução de penas

Além de votar, Marco Aurélio também propôs o novo cálculo das punições. Tornando a pena de Marcos Valério de 40 anos, dois meses e 10 dias para 10 anos e 10 meses de reclusão.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Após Joaquim Barbosa, relator do caso do mensalão, votar contra a tese de continuidade delitiva dos crimes, o ministro Marco Aurélio Mello votou favorável ao argumento apresentado pela defesa dos réus.

Marco Aurélio entendeu que os crimes foram praticados de forma sequencial. Dessa forma, as penas terão que ser revistas e reduzidas. Segundo a tese de continuidade delitiva, as punições não podem ser somadas, mas a punição mais alta deve ser aumentada. No entanto, para o ministro, apenas 16 dos 25 condenados seriam beneficiados com o novo entendimento. Entre os nove réus que a pena deve permanecer igual, estão os petistas José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares.

Além de votar, Marco Aurélio também propôs o novo cálculo das punições. Pelo entendimento do ministro, a pena de Marcos Valério passaria de 40 anos, dois meses e 10 dias para 10 anos e 10 meses de reclusão. Já a de Roberto Jefferson, passaria de sete anos e 14 dias para quatro anos, seis meses e três dias de reclusão. Já as penas dos ex-sócios de Valério Cristiano Paz e Ramon Hollerbach ficariam em oito anos e um mês pela proposta de Marco Aurélio.

Na 50ª sessão do julgamento do mensalão, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) analisam a aplicação de crime continuado, o que pode levar à diminuição das penas resultantes da somatória dos crimes.

O atual presidente da Corte e relator da ação, ministro Joaquim Barbosa, recusou o pedido dos advogados dos réus que pedia a continuidade delitiva. Para ele, não houve uma unidade continuada.

Se os ministros entenderem que os diferentes crimes contra a Administração, como corrupção e peculato, foram da mesma espécie, cometidos nas mesmas circunstâncias de tempo, local e modo de execução, requisitos para o reconhecimento da continuidade delitiva, as penas não poderão ser somadas, mas aumentará a pena mais alta. Podendo reduzir a pena total de vários réus.

No início da sessão desta quarta-feira, os ministros reduziram em seis meses a pena de Rogério Tolentino para o crime de lavagem de dinheiro. Com isso, ele recebeu três anos e dois meses de prisão. Mesmo com a alteração, a soma das punições de Tolentino chegam a oito anos e cinco meses, e ele terá que cumprir inicialmente em regime fechado. Tolentino foi advogado do empresário mineiro Marcos Valério e condenado por formação de quadrilha, corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Informações de zerohora.clicrbs.com.br

FOTO: reprodução / zerohora.clicrbs.com.br

Compartilhar

Novo Hamburgo: Aprovado projeto proibindo propaganda política nas ruas

Avançar »

Câmara aprova reajuste para servidores públicos federais

5 comentários

  1. Josias
    5 de dezembro de 2012

    A unica forma de solucao e acabar com os politicos corruptos.

    Responder
  2. 5 de dezembro de 2012

    Todo esse movimento e balela, pra os colarinhos brancos e políticos ficarem numa boa……pra que justiça?????????daqui a pouco os caras não tem culpa nenhuma, são todos cidadãos de bem….. babacas são brasileiro, eu, principalmente, depois de 40 anos de serviço público, nunca apanhei um centavo , que não fosse meu ou passou na minha idéis e usufruir alguma vantagem desonestamente. Estou com cara de palhaço e burro……

    Responder
  3. 5 de dezembro de 2012

    Assisti a todos os julgamentos do mensalão até a data de hoje no momento que S.E. Marco Aurélio de MELLO deu o seu voto.Nunca mais vou assistir a nada da tv justiça.Motivo:ansia de vomito.

    Responder
  4. Paulo Ricardo Bobsin
    6 de dezembro de 2012

    O PT é o agente maior por trás desses crimes.Zé Dirceu e companhia fizeram para o partido e não para eles mesmos. Já estamos em um país onde não existe mais diversidade política, só o mando de um partido.Isso poderia ser chamado de democracia?

    Responder
  5. Paulo Ricardo Bobsin
    6 de dezembro de 2012

    A propósito, parabéns para os editores desse veículo, fiz comentários impessoais, mas com uma opinião bem definida e crítica, e eles mantiveram a publicação de meus comentários….jornalismo livre é isso aí!

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*