• Visualizações 751

Pepe Vargas assume Ministério do Desenvolvimento Agrário em momento “conflituoso”, diz coordenador do MST

Alexandre Conceição afirma que falta de avanço na pauta agrária durante o Governo Dilma “gera uma coisa conflituosa”. 

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O deputado petista gaúcho Pepe Vargas (foto), que assumiu nesta quarta-feira, dia 14, o Ministério do Desenvolvimento Agrário, encontra um cenário diferente da realidade vivida por seu antecessor, Afonso Florence (PT-BA), no início do governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

Irritados com o que consideram “lentidão” e “falta de compromisso” do governo com a questão agrária, os movimentos de trabalhadores rurais tomaram a decisão de se unificarem na jornada de lutas. “Como a pauta agrária no início do Governo Dilma não avançou, as desapropriações foram vergonhosas, pior índice dos últimos 16 anos, isso gera uma coisa conflituosa”, avalia um dos coordenadores nacionais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST Alexandre Conceição. “Este ano será um ano atípico na luta no campo que será muito mais forte, sem dúvida”, afirmou.

O MST esteve engajado na campanha da presidenta Dilma Rousseff e, em abril do ano passado, de acordo com Conceição, a relação com o novo governo ainda se definia. “Como na campanha ela assumiu o compromisso de dar continuidade ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nós entendemos que seria dar continuidade às desapropriações”, destacou.

No entanto, ao final de um ano de governo, de acordo com dados do MST, somente 22 mil famílias foram assentadas. Só do MST, há cerca de 100 mil famílias esperando pelas desapropriações de terra.

Informações de Agência Brasil

FOTO: Wilson Dias / ABr

Compartilhar

Levantamento aponta diferenças entre valores de estádios da Copa do Mundo

Avançar »

Dilma Rousseff garantiu que Brasil cumprirá compromissos com a Fifa, afirma Joseph Blatter

Um comentário

  1. José Tristão da Motta
    15 de março de 2012

    Devemos solicitar ao novo Ministro que, o atual desenvolvimento habitacional Brasileiro. Hoje, não só pede, mas sim exige, que para a agricultura tenha a sua própria legislação. Pois com a atual Legislação trabalhista Urbana não é possível manter uma agricultura emprega-dista. E não poder absolver a mão de obra ociosa da cidade. Isto é. Devemos reverter a atual situação do que foi a Revolução Francesa 1779. Esta de objetivo desenvolvido e trouce o homem do campo para trabalhar na Industria.

    Na esperança de vossa atenção
    um sincero abraço de José Tristão Motta, colono aposentado e de pouca instrução

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*