• Visualizações 1032

Para professor especialista da UFRGS, incêndio em estação na Antártida terá impacto político

De 2011 a 2012, os recursos previstos no Orçamento da União para a Missão Antártica caíram de R$ R$ 75,1 milhões para R$ 19,9 milhões.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O impacto do incêndio na Estação Antártica Comandante Ferraz vai além do científico. “É político, também”, avaliou o geólogo Jefferson Cardia Simões, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS nesta segunda-feira, dia 27.

Dois militares morreram no acidente: o suboficial Carlos Alberto Vieira Figueiredo e o sargento Roberto Lopes dos Santos. O voo com 41 brasileiros que estavam na base atingida pelo incêndio do último dia 25 chegou ao Rio de Janeiro na madrugada desta segunda-feira. Antes, a aeronave faz uma parada em Pelotas, onde três pesquisadores da Unisinos, de São Leopoldo, e um funcionário de Ibama desembarcaram na cidade.

Simões, que é especialista no continente, afirma esperar que, com o acidente, a opinião pública seja esclarecida sobre as atividades brasileiras na Antártica e que o fato repercuta no orçamento destinado às atividades de pesquisa no país. A vice-presidente da Frente Parlamentar de Apoio ao Programa Antártico, deputada Jô Moraes (PCdoB-MG), tem percepção semelhante e diz que o Brasil precisa assumir a sua condição sexta potência mundial: “o grau de investimento no continente não está à altura de um país como o nosso”.

Na avaliação do professor, 40% das pesquisas foram afetadas. “Não podemos confundir o programa de pesquisa com a estação”, declarou. “O programa é mais amplo. Temos dados de pesquisa coletados por 27 anos”, lembra o cientista, destacando que a maior parte das pesquisas não era feita na estação, como é o caso do módulo de pesquisa Criosfera 1, instalado no mês passado por sua equipe na Antártica, a 670 quilômetros do Polo Sul.

Ele classificou o incêndio de “catástrofe”, mas ressaltou que não é o primeiro episódio, pois na década de 1970 houve um incêndio na estação russa. “Os incêndios em estações são muito temidos porque são difíceis de combater. O ambiente é fechado e há muito material inflamável”, explicou.

Faltam recursos, diz deputada

De acordo com a deputada Jô Moraes, o Brasil destina poucos recursos à pesquisa na Antártica porque “há uma completa insensibilidade e inconsciência científica por parte da sociedade, do [Poder] Legislativo e do [Poder] Executivo. O programa de pesquisa na Antártica dá estatura ao Brasil”, ressalta.

Para Jô Moraes, não houve sensibilidade da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização do Congresso Nacional para separar mais recursos para os gastos com a Estação Comandante Ferraz e as pesquisas na Antártica. De 2011 a 2012, os recursos previstos no Orçamento da União para a Missão Antártica caíram de R$ R$ 75,1 milhões, previstos no Programa Antártico Brasileiro – Proantar para R$ 19,9 milhões, descritos no programa temático Mar, Zona Costeira e Antártica. Segundo a deputada, nem mesmo os recursos orçamentários destinados à região têm garantia de execução.

Em balanço feito em novembro do ano passado, a Frente Parlamentar de Apoio ao Programa Antártico verificou que nenhum real previsto em emendas de deputados, senadores ou comissões para a missão brasileira no continente tinha sido executado. Jô Moraes disse esperar que mais R$ 20 milhões sejam destinadas à missão para reconstrução da estação.

FATALIDADE – Apesar de criticar a “precariedade” do programa, ela diz que o incêndio foi uma “fatalidade”, cujas consequências seriam menores se o país desse prioridade à Antártica. “Os prejuízos da fatalidade poderiam ter sido evitados, nós temos refúgios lá”, ressalta a deputada, referindo-se a áreas da estação que não foram atingidas, a acampamentos e embarcações.

Informações de Agência Brasil

FOTO: divulgação / Armada de Chile

Compartilhar

Arrecadação federal bate recorde e soma R$ 102,57 bilhões em janeiro

Avançar »

E-mails vazados pelo WikiLeaks declaram que Hugo Chávez teria de um a dois anos de vida

sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*