Entrevista de Palocci desperta manifestações de políticos

Deputado Paulo Pereira da Silva, integrante da base aliada, por exemplo, afirma que Palocci deveria se afastar do governo.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A entrevista do ministro da Casa Civil Antonio Palocci ao programa da Rede Globo Jornal Nacional, na última sexta-feira, 03, teve repercussão imediata no Twitter. Logo após o início da transmissão, o microblog virou palco para oposição e governistas.

Em poucos minutos, a entrevista virou o segundo assunto mais comentado do Twitter, com o termo #paloccijn. Políticos da oposição usaram a rede social para criticar a escassez das explicações. “Esse comportamento de Palocci só solidifica nossa desconfiança de que ele esconde algo muito sério dos brasileiros, algo escandaloso”, disse o deputado ACM Neto (BA), líder do DEM na Câmara, pedindo a saída imediata do ministro.

O líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (SP), fez eco a ACM: “Se há alguma explicação, o ministro não quis ou não pode dar. O melhor para o país é o seu afastamento.” O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) relembrou o caso do ex-caseiro Francenildo dos Santos Costa, que teve o sigilo bancário violado em 2006 após afirmar a integrantes da CPI dos Bingos que Palocci ia a uma mansão em Brasília freqüentada por lobistas. “As contas do homem + forte de Dilma não são privadas como ele disse. Privada é a conta do Francenildo”, disse Aloysio.

Líderes da oposição reforçaram a necessidade de convocar o ministro a se explicar no Congresso. “Foi uma entrevista nervosa, confusa, inconsistente”, disse o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) ao site da revista Veja. “Não eliminou nenhum dos indícios e não esgota a crise de forma alguma. Pelo contrário: reforça a necessidade de convocação e eventualmente da CPI.”

Base governista (quase) em silêncio

O silêncio de líderes da base só foi quebrado pelo governador do Acre, Tião Viana (PT): “Palocci foi firme, respeitoso, objetivo.” O presidente do PT, Rui Falcão, sumiu do mundo virtual às 19h09min e só ressurgiu às 21h37min, para comentar o crescimento do Produto Interno Bruto – PIB.

A desconfiança veio também de integrantes da base aliada, como o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP): “Palocci não explicou, no JN, como ganhou tanto dinheiro. Acho que ele deveria evitar mais problemas e se afastar do governo.” O senador Pedro Taques (PDT-MT) também se manifestou: “Confesso que me faltaram algumas respostas na confissão do Senhor ministro-consultor. Dentre elas: o q ele fazia para ganhar tanto?”

Ouvido pela Veja, líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves, diz que o ministro parecia tranqüilo e afirma que acredita em Palocci. Mas, na falta de provas, apela à boa fé: “Ele respondeu a todas as perguntas. Aí fica o questionamento: acreditar ou não na palavra? Ter boa fé ou não? Eu tenho”. Alves lembra, no entanto, que ainda é preciso aguardar um posicionamento da Procuradoria Geral da República sobre as informações repassadas pelo ministro.

DEFESA – O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), defendeu Palocci. Para ele, o assunto deve sair da pauta política.

“Foi uma boa entrevista porque ele deixou claro que, se tiver explicação a dar, quem deve dar é ele como pessoa física”, afirmou. “Quero dar o caso como encerrado”.

Informações de Veja

FOTO: reprodução / portalct

Compartilhar

PSDB teme que defesa de FHC pela descriminalização da maconha afete eleições

Avançar »

Pedido de investigação sobre patrimônio de Palocci é arquivado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*