Bolsonaro provoca nova polêmica com folhetos “anti-gays” no Senado

Ele trocou insultos com senadora que o chamou de homofóbico e criminoso. Ela promete analisar medidas cabíveis que podem ser tomadas.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A senadora Marinor Brito (PSOL-PA) e o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) trocaram insultos nesta quinta-feira, dia 12, no Senado, depois que a Comissão de Direitos Humanos da Casa suspendeu a votação do projeto que criminaliza a homofobia no país.

O tumulto teve início ao final da sessão, quando Bolsonaro se postou atrás da senadora Marta Suplicy (PT-SP), relatora do projeto, que concedia entrevista a emissoras de rádio e TV. O deputado estava com folhetos “anti-gays” nas mãos, ao lado de outros parlamentares.

Irritada, Marinor reagiu tentando tirar o grupo do local. A senadora chegou a bater com as mãos em um dos panfletos que estava com Bolsonaro. “Homofóbico, criminoso, está usando dinheiro público para fazer cartilha”, gritou Marinor.

O deputado reagiu ao afirmar que a senadora deveria provar suas acusações. “Olha a intolerância, denuncie então senadora.” O tumulto acabou controlado por outros deputados e senadores que estavam no local.

Marinor disse que vai analisar as “medidas cabíveis” que serão tomadas contra Bolsonaro. “Eu fui pedir para eles pararem, os xingamentos aumentaram. Eles se colocaram de forma desrespeitosa atrás da senadora. Estavam ali com o firme propósito de agredir.” Além de Bolsonaro, diversos deputados contrários ao projeto que criminaliza a homofobia acompanharam a sessão da Comissão de Direitos Humanos – a maioria integrantes da bancada evangélica.

Evangélicos condenam proposta

A comissão adiou a votação do projeto depois que Marta pediu para retirá-lo de pauta na tentativa de dialogar com os parlamentares contrários ao texto. Os evangélicos são contra a proposta por considerar que pastores e líderes religiosos poderão ser punidos se condenarem a prática homossexual em suas pregações. Marta disse que vai incluir em seu relatório artigo que protege os cultos nas igrejas da criminalização da homofobia – apesar de discordar da mudança.

“O que vejo é a posição antagônica das igrejas. Não adianta dizer que tem respeito [aos homossexuais] e ir contra um projeto que vai diminuir o preconceito, os homicídios. Quando me colocaram que o problema era a liberdade de expressão nos templos, eu incluí no texto”, disse.

A concessão, porém, não agradou à bancada evangélica. “A senadora acolheu o pedido, mas isso vale dentro das igrejas. Acho que o Estado não pode intervir na área geográfica”, disse o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ). Contrário ao projeto, o senador Magno Malta (PR-ES) disse que a criminalização da homofobia pode criar um “império homossexual” no Brasil ao condenar aqueles que são contrários à união gay. “O Supremo Tribunal Federal prestou um desserviço à sociedade [ao legalizar a união homossexual]. Meia dúzia de homens. O Supremo não é o supra-sumo da verdade”, disse.

Informações de Folha.com

FOTO: reprodução / Márcia Kalume-Agência Senado

Compartilhar

Código Florestal: Após bate-boca e suspeita de fraude, votação é novamente adiada

Avançar »

Deputado petista classifica como “injustiça” falar que houve mensalão

2 comentários

  1. Maicon Kruel Verissimo
    13 de maio de 2011

    Acredito que homofobia não deve ser considerado um ato criminoso, devido ser um direito de pensar. Somos um país democrático, todos temos o direito de liberdade de pensamento e sentimento. O que não deve ocorrer neste caso é o desrespeito com o próximo.

    Responder
  2. mano
    14 de maio de 2011

    NESSA OCASIÃO EM QUE BOLSONARO APARECE É SOBRE A PL122 CERTO, MAS SE ANALIZARMOS VAMOS VER QUE ESSE CIDADÃO TEM RAZÃO PORQUE QUEM CONHECE ESSA LEI “PL122” SABE QUE ISSO É UMA ABERRAÇÃO.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*