Dia do Trabalhador: Centrais sindicais reforçam luta pela redução da jornada

Sindicalistas aproveitaram as mobilizações pelo 1º de Maio para reiterar pedido de redução de 44 para 40 horas semanais.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Nem só de festa se fez o 1º de Maio no Brasil. No Dia Internacional do Trabalho, as centrais sindicais reforçaram neste domingo uma de suas principais bandeiras.

Leia Mais

Centrais sindicais pedem votação da redução da jornada de trabalho

Os sindicalistas pedem ao Governo Dilma (PT) a redução da jornada de trabalho sem afetar os salários. Querem a alteração de 44 para 40 horas semanais. Com cerca de 1,5 milhão de operários a Força Sindical e outros quatro grupos realizaram a maior concentração do dia no Viaduto Pompéia, em São Paulo. A festa teve artistas como César Menotti e Fabiano, Luan Santana, Bruno e Marrone, Daniel, Jorge e Matheus, Victor e Leo e João Bosco.

As cinco centrais se pronunciaram a favor da regulação dos empregos, da mudança no sistema de previdência e na redução dos impostos e da taxa básica de juros. Em resposta, o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, leu uma mensagem da presidente, que não participou do ato por razões de saúde. Dilma promete que a inflação “não voltará a corroer o poder aquisitivo dos trabalhadores” e destaca a geração de empregos de seu antecessor, Lula.

Em outra concentração sindical em São Paulo, a Central Única dos Trabalhadores – CUT realizou um ato com mais de 30 mil participantes do Vale do Anhangabaú, que contou com a presença do ator e ativista americano Danny Glover.

A CUT rendeu uma homenagem ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, antigo ativista sindical, e fez também um reconhecimento ao ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, que foi representado por ativistas de seu país.

Pelo Brasil

A celebração do Dia de Trabalho no Brasil transcorreu com relativa tranqüilidade e teve grandes concentrações em cidades como Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Curitiba e Rio de Janeiro. Na Praça da Sé, porém, no centro de São Paulo, um protesto contra a agressão esta semana de um trabalhador negro em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, terminou em confronto, sem feridos, entre as forças da ordem e os cerca de 200 manifestantes.

Informações de EFE

FOTO: reprodução / Terra

Compartilhar

Envolvido no mensalão pede refiliação ao PT

Avançar »

Tarso vai vetar parte do projeto sobre estrangeirismos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*