Alterações no Código Florestal voltam a ser discutidas

Mudanças na legislação causaram polêmica, com propostas como a redução da área de preservação na beira de rios.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária promovem na terça-feira, dia 15, um debate sobre as propostas de alteração do Código Florestal, na Câmara.

O encontro será aberto pelo relator da reforma do código, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), que vai defender a aprovação de um texto substitutivo – que tem o apoio de ruralistas, mas não agradou a base ambientalistas da Casa.

O novo Código Florestal muda as regras de preservação ambiental do país e causou polêmica entre ambientalistas e ruralistas em 2010. Entre outras propostas, o texto reduz a área de preservação na beira dos rios. O limite a ser preservado passou de 30 para 15 metros da margem de rios com até 10 metros de largura. Em rios mais largos que 10 metros, a faixa lateral a ser preservada permanece sendo 30 metros, no mínimo.

O parecer final também modifica as regras da reserva legal, área que também deve ser preservada dentro de toda propriedade rural e que varia de 20% a 80% do terreno, dependendo da região. A terceira modificação mais importante refere-se a punições para quem desmatou. O relatório final isenta de sanções aqueles proprietários que desmataram até 2008.

Ambientalistas x Ruralistas

A votação do Código Florestal virou uma queda de braço entre a bancada ruralista, que defende os interesses dos produtores rurais, e a bancada ambientalista.

De acordo com os ambientalistas, o novo código pode comprometer drasticamente o cumprimento das metas assumidas pelo Brasil de reduzir o desmatamento, principalmente na Amazônia, e as emissões de gases que causam o aquecimento global.

Já os ruralistas defendem que o que já foi desmatado deve ser regularizado e que as mudanças devem valer apenas para o futuro. Eles não concordam com todos os pontos do novo relatório de Aldo Rebelo, mas acham que é o que se pode fazer para atender as demandas de ruralistas e ambientalistas.

BURRICE – No ano passado, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, causou polêmica ao afirmar que a discussão sobre o Código Florestal é burra e que os dois lados precisam ceder para que o debate sobre a biodiversidade avance.

Para ela, um dos pontos fundamentais a ser resolvido é a implementação e estratégias de utilização dos recursos destinados à preservação da biodiversidade, e que, para isso, a participação do setor privado é fundamental.

Informações de portal R7

FOTO: ilustrativa

Compartilhar

Correção na tabela do Imposto de Renda fica em 4,5%

Avançar »

Levantamento aponta que 32 dos 40 deputados mais jovens são parentes de políticos

Um comentário

  1. RENALDO LUIZ RIBEIRO..
    14 de março de 2011

    DEUS T ABENÇOA …GOSTEI DA SUA COLOQUAÇOES.PRESISAMOS D PEÇOAS ASIM MESMO EU TAMBEM TEHO UMA PROPIEDADE RURAL.AGORA ESTOU BEM ÇEGURO COM ASPALAVRAS Q VC DISSE…BANDEIRANTES MS ..

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*