Novos capítulos? Paim vai propor mínimo de R$ 560 no Senado


Na próxima terça-feira, no entanto, representante da equipe econômica do governo Dilma se reunirá com petistas, para unificar o partido.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O projeto do governo com a política de valorização do salário mínimo até 2015 e reajuste para 545 reais este ano deve ser votado na próxima quarta-feira, dia 23, informou o senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo na Casa.

Leia Mais

Salário mínimo: Dilma ganha a primeira e deputados aprovam R$ 545,00

O projeto do governo foi aprovado por ampla maioria na Câmara na quarta-feira, 16. As duas propostas da oposição, de 560 reais e 600 reais, foram derrotadas.

Embora tenha maioria dos senadores, o governo deve enfrentar divergências na base. O petista gaúcho Paulo Paim (foto), por exemplo, anunciou na quinta-feira que apresentará emenda que fixa o valor do mínimo deste ano em 560 reais, resultado da antecipação de 15 reais do reajuste do próximo ano.

“O que eu proponho, no campo da negociação, é que haja uma antecipação do reajuste que seria dado em janeiro de 2012”, declarou o senador, que se disse um defensor da política de valorização do mínimo adotada pelos governos Lula e Dilma.

O líder da bancada petista no Senado, Humberto Costa (PE), afirmou que irá “apelar fortemente” aos correligionários que não apresentem emendas. Segundo Costa, senadores do partido mantêm conversas com Paim para demovê-lo da idéia.

“Ainda ontem nós o escolhemos (o senador Paim) para a presidência da Comissão de Direitos Humanos, é um reconhecimento da bancada pelo companheiro. Nós esperamos a reciprocidade disso”, afirmou o líder do PT, que disse não trabalhar com a hipótese de alguém votar contra o governo.

ARGUMENTAÇÃO – Outra estratégia que será usada para unificar o partido da presidente Dilma Rousseff na votação será uma reunião na terça-feira, 22, com um representante da equipe econômica que irá apresentar os argumentos do governo. Na Câmara, compareceu o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o secretário-executivo da pasta, Nelson Barbosa.

Oposição defende “responsabilidade

diante da opinião pública”

O líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), informou que irá apresentar uma proposta de reajuste do mínimo para 600 reais – valor defendido pelo tucano José Serra na eleição presidencial do ano passado.

Além disso, pretende apresentar uma emenda para suprimir um artigo do texto enviado pelo Executivo que delega à presidente da República a tarefa de determinar o valor do salário mínimo de 2012 a 2015 por decreto.

Dias reconhece, no entanto, a dificuldade de vencer a base aliada na votação. Na Câmara, o governo alcançou uma ampla vantagem de votos em relação à oposição.

“Sabemos que não temos número para aprovar, mas é nosso dever oferecer a oportunidade para que senadores demonstrem independência e assumam responsabilidade diante da opinião pública”, afirmou a jornalistas. “A bancada governista está forte e unida. É início de governo, é difícil abrir dissidências.”

O DEM vai apresentar uma emenda com o valor de 560 para o mínimo, segundo a assessoria do partido.
Informações de Reuters

FOTO: reprodução / Roosewelt Pinheiro-ABr

Compartilhar

Votação do mínimo: Tiririca erra botão e se posiciona contra seu partido

Avançar »

PSOL propõe salário mínimo de R$ 700

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*