• Visualizações 1432

Eleições 2010: Entidade gay buscará apoio de candidatos à união civil

Campanha “Voto Contra a Homofobia, Defendo a Cidadania” procura políticos que disputam o pleito deste ano para assumirem apoio por escrito.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais – ABGLT lançou na última semana um campanha civil para buscar apoio dos candidatos às causas homossexuais no País.

Com o nome “Voto Contra a Homofobia, Defendo a Cidadania”, a campanha pretende obter o apoio da sociedade, com uma lista de candidatos comprometidos com o movimento.

Através da assinatura de um documento de dez tópicos, a ABGLT busca apoio de candidatos a deputados, senadores, governadores e presidentes para a causa. O principal objetivo do movimento é formar uma bancada que possa aprovar projetos contra a discriminação e em favor do casamento gay no Congresso.

Para que isso aconteça, a ABGLT precisa eleger ao menos 269 deputados e 41 senadores comprometidos com a causa, quantidade mínima necessária para aprovar um projeto de lei que garanta a união civil de pessoas do mesmo sexo e direitos aos casais homoafetivos.

“Há um entendimento entre as entidades da causa gay que é preciso combater o conservadorismo do Congresso já nas eleições”, diz Toni Reis, presidente da ABGLT. “Nossa intenção é oferecer opções de voto aos eleitores simpatizantes da nossa causa e despertar o interesse pela discussão antes mesmo dos projetos chegarem ao Congresso. Não existe melhor arma para defender a cidadania do que o voto”, afirma.

O presidente da ABGLT reclama que em 22 anos de vigência da atual Constituição, nenhum projeto de promoção e defesa dos homossexuais foi aprovado no Congresso. Segundo Toni Reis, aos casais homossexuais são negados mais de setenta e oito direitos civis disponíveis para os casais heterossexuais. “O judiciário tem feito a função do legislativo, dando liminares que autorizam a adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo, inclusão em planos de saúde e até direito à herança. Isso é papel dos legisladores. É hora deles discutirem seriamente essas questões”, argumenta Reis.

Candidatos

Apesar de estarmos a menos de 45 dias das eleições, apenas 89 dos 22 mil candidatos que disputam o pleito deste ano se comprometeram com a assinatura do documento da ABGLT até agora. Mesmo os candidatos que já formam a atual frente de apoio às causas gays no Congresso estão resistentes a assinar o documento, segundo o presidente da entidade.

“Alguns candidatos não querem assinar e estão com medo de se assumirem (defensores da causa). Mesmo os nossos aliados, que já se comprometeram com o movimento no passado, não gostam de firmar compromissos. Eles dizem que não querem se indispor com as comunidades católicas e evangélicas, onde tem um grande potencial de votos”, conta Toni Reis.

Entre os nove candidatos à Presidência da República, por exemplo, apenas Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) assinou o documento da entidade. Em todo o País, apenas quatro candidatos ao Senado e quatro candidatos a governador se comprometeram com a causa. Favoritos como Geraldo Alckmin (PSDB-SP), Sérgio Cabral (PMDB-RJ) ou Tarso Genro (PT-RS) não se manifestaram ainda sobre a proposta da ABGLT.

“Estamos negociando com todos eles, inclusive com Serra, Dilma e Marina Silva. As negociações estão avançando, mas a gente sabe que as eleições se aproximam e é preciso correr para que eles se comprometam por escrito com políticas que garantam a diversidade”, justifica o presidente do ABGLT.

Entre os que já assinaram o documento da ABGLT, o Partido dos Trabalhadores – PT lidera com o maior número de candidatos, 49,44%, do total, seguido do PSOL com 19,1%, e do PCdoB com 6,74%. Juntos, os partidos de esquerda somam 67 assinaturas no total.

Mesmo no PSDB, conhecido por também formar um núcleo de militância gay, apenas uma assinatura foi contabilizada até agora, a da candidata Mara Gabrilli, deficiente física e vereadora por São Paulo. No Democratas – DEM, nenhuma assinatura foi registrada nessa primeira semana de movimento.

Informações de Último Segundo

FOTO: ilustrativa / stock.xchng

Compartilhar

Eleições 2010: Para o Ibope, só fato novo altera quadro da disputa presidencial

Avançar »

Eleições 2010: Com 46%, Dilma lidera e venceria no 1º turno, diz pesquisa

5 comentários

  1. Fagner Donadon
    17 de setembro de 2010

    Sou contra. Acredito que a família conforme instituída por Deus é a base da sociedade e qualquer união que não seja entre homem e mulher deve ser proibida. Não podemos transformar em lei algo que ofende a natureza do ser humano. Ser a favor da PLC122 é ir contra a base da nossa sociedade e destruir o futuro de nossas crianças que crescerão tendo uma visão distorcida do que é uma família.

    Responder
  2. 29 de setembro de 2010

    fertajerkqk

    Responder
  3. Jhessika
    30 de setembro de 2010

    Um exemplo claro de homofobia!
    “Uma visão certa do que é uma familia”
    Vc prefere ver um filho seu casado com uma pessoa do sexo oposto e não ser feliz!
    Nós queremos que o povo veja que o as pessoas são feitas de amor, e seu filho ou filha pode consrtuir uma familia verdadeiramente feliz sendo ela hetero ou homossexual!
    O amor não tem sexo!
    E as pessoas insistem em martelar nesse tabu que a sociedade impôs!

    Responder
  4. Ighor
    2 de outubro de 2010

    Entendo. Então você acha que a base da sociedade é o preconceito? E você acha que o que Deus quer é um fiel preconceituoso? Se o próprio Deus deu liberdade ao homem, porquê você é contra o que Deus deu? Você não tem que gostar do povo homossexual, nem eles de você, mas, como uma sociedade, devemos pensar no bem de todos, com religião e sem ela, porque nem todos são religiosos heterossexuais ou homossexuais.
    Da próxima vez, antes de expressar sua opinião, estude e tente compreender todos os lados. Depois que você tiver um bom conhecimento poderá expressar uma opinião respeitável.

    Responder
  5. Jhessika
    23 de outubro de 2010

    Pelo contrário conheço muito bem os ensinamentos de Deus onde ele fala que tem que existir o amor!Venho de uma familia evangélica e sei qual é a visão!
    Mais se existe o amor e é sincero porque não seria de aprovação de Deus!???!!
    Conhecendo bem a palavra enchergamos que pro amor não existe sexo, como não existe cor, a questão e que a sociedade separada da palavra de Deus tem preconceito claro contra os homossexuais comparando com criminosos e qlqr coisa nesse segmento o que não tem nada a ver e ngm encherga!
    Prefiro ter um filho gay do que bandido?? meoo o que é isso, são pessoas normais de bem, coração e alma boa!e isso que as pessoas não enchergam!

    Se o próprio Deus deu liberdade ao homem, porquê você é contra o que Deus deu?
    não sou contra Deus e nunk serei porque além de tudo sou cristã
    mais se Deus deu liberdade ao homem porque o fato do homem escolher uma pessoa do mesmo sexo pra viver seja errado???

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*