Presidente defende uso da internet em campanhas políticas

Lula apóia que a rede pode ser um instrumento para que o eleitor possa conhecer mais sobre o seu candidato e que as restrições e controle ao uso da internet são impossíveis.

 O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou nesta segunda-feira, 14, o dispositivo da reforma eleitoral que impõe restrições ao uso da internet em campanhas políticas. Lula disse que é impossível controlar a internet e que é preciso que os eleitores tenham liberdade para conhecer os candidatos.

“A eleição não pode ser uma coisa que cause tanto medo às pessoas que queiram proibir. Brigamos a vida inteira por liberdade política, de expressão, de comunicação e começam a trancar isso”, afirmou. “Acho que tem ser livre mesmo, porque é importante as pessoas saberem quem é o candidato”, acrescentou.

As declarações foram feitas em entrevista a rádios de Roraima, estado em que Lula inaugura hoje obras e assina atos para a regularização de terras e contratos para a construção de moradias pelo programa Minha Casa, Minha Vida.

Pelo texto da reforma eleitoral que foi aprovado na Câmara e está no Senado, há restrições aos sites noticiosos da internet durante o período eleitoral. A proposta prevê que os candidatos devem ter liberdade total na internet ao utilizar blogs, mensagens instantâneas e sites de redes sociais.

Os sites vinculados às empresas de comunicação e aos provedores estão proibidos de veicular imagens de consultas populares de natureza eleitoral a partir do dia 5 de julho do ano da disputa. Fica permitida também a propaganda paga nos portais jornalísticos, mas somente para os candidatos à Presidência da República.

Nesta semana, o Senado deve votar os destaques apresentados pelos senadores à reforma eleitoral, entre eles a emenda proposta pelo líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), que retira do texto qualquer restrição ao conteúdo jornalístico veiculado na internet durante a campanha.

 Agência Brasil

Foto: ABr

Compartilhar

Rua Rincão receberá melhorias através de parceria entre Zimmermann e Dilkin

Avançar »

Processo de impeachment contra Yeda Crusius, será analisado por 18 deputados do governo e 12 de oposição

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*