• Visualizações 476

Através de “canais diplomáticos”, EUA promete responder sobre espionagem

Governo do Brasil reagiu com indignação diante da denúncia de que EUA espionaram telefones e e-mails da presidente Dilma e pediu explicação, mas não esclareceu que resposta dará ao que chamou de “violação inaceitável da soberania”.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O Departamento de Estado americano garantiu na terça-feira, dia 03, que o governo responderá através de “canais diplomáticos” às exigências de explicações do Brasil e do México à espionagem nesses países revelada recentemente.

Em comunicado, o Departamento de Estado disse que utilizará as vias diplomáticas que usam com “membros e aliados”, mas não comentará detalhes “sobre a suposta atividade de inteligência”, como a revelada pelo ex-analista da Agência de Segurança Nacional – NSA, Edward Snowden.

“Como parte de nossa política, deixamos claro que os Estados Unidos resumem inteligência estrangeira do mesmo modo que todas as nações. Avaliamos nossa cooperação com todos os países em assuntos de interesse mútuo”, disse um funcionário do Departamento de Estado em comunicado.

O governo do Brasil reagiu na segunda-feira com indignação diante da denúncia de que os EUA espionaram os telefones e os e-mails da presidente Dilma e pediu uma explicação rápida e por escrito, mas não esclareceu que resposta concreta dará ao que chamou de “violação inaceitável da soberania”.

Já o governo do México informou ontem que pediu aos EUA uma “investigação exaustiva” sobre as denúncias de espionagem a cidadãos mexicanos e que determine as responsabilidades correspondentes.

Os documentos que revelaram as atividades foram entregues por Snowden ao jornalista Glenn Greenwald, do jornal britânico Guardian, que publicou em primeira mão informação sobre a espionagem americana no exterior.

Informações de Agência Brasil

FOTO: reprodução / band.uol

Compartilhar

Em meio à crise síria, Israel faz teste de míssil com EUA no Mediterrâneo

Avançar »

Discussões do G20 vão se concentrar em temas econômicos e na crise na Síria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*