• Visualizações 517

Equador concede asilo diplomático a Julian Assange, mas Reino Unido mantém extradição

Australiano de 41 anos é fundador do WikiLeaks, organização responsável pela divulgação de documentos, fotos e informações secretas de governos e empresas.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O governo do Equador anunciou nesta quinta-feira, dia 16, que concedeu asilo diplomático a Julian Assange, fundador do site de vazamentos WikiLeaks, mas o Reino Unido afirmou que o anúncio não muda a decisão de extraditá-lo para a Suécia.

O anúncio foi feito por Ricardo Patiño, chanceler equatoriano, que argumentou que Assange corre riscos de segurança se for extraditado.  Assange, que está refugiado no prédio da embaixada equatoriana em Londres desde junho, disse que o anúncio foi “uma vitória importante”.

O australiano de 41 anos é fundador do WikiLeaks, organização responsável pela divulgação de documentos, fotos e informações secretas de governos e empresas. Ele é investigado pelos Estados Unidos por espionagem, após ter divulgado no site despachos confidenciais do Departamento de Estado, incluindo dados sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão.

Manifestantes pró-Assange e policiais britânicos entraram em confronto nesta quinta-feira, 16, em frente ao prédio da Embaixada do Equador em Londres após o governo britânico ter dado a entender que pode entrar no prédio para prender o fundador do WikiLeaks.

Um jornalista da Reuters viu pelo menos três manifestantes sendo levados pela polícia, enquanto os manifestantes cantavam slogans e gritavam: “Vocês estão tentando começar uma guerra com o Equador”. Pelo menos 20 policiais estavam fora da embaixada, tentando controlar um grupo de cerca de 15 manifestantes.

Refugiado, Assange tenta evitar sua extradição à Suécia

O vazamento, ocorrido a partir de 2010 e repercutido pela imprensa de vários países, deixou em situação incômoda o serviço diplomático americano e de outros países.

Assange refugiou-se na Embaixada do Equador, em Londres, no dia 19 de junho. Ele tenta evitar sua extradição à Suécia, onde é procurado pela Justiça para ser ouvido sobre acusações de agressão sexual e estupro.

“Caso aconteça uma extradição para os Estados Unidos, o senhor Assange não terá um julgamento justo, poderá ser julgado por tribunais especiais ou militares, e não é inverossímil que receba um tratamento cruel e degradante, e que seja condenado à prisão perpétua ou à pena capital, com o que não seriam respeitados seus direitos humanos”, disse Patiño na sede da chancelaria equatoriana.

O chanceler equatoriano destacou que, após quase dois meses de “diálogo do nível mais elevado” com os governos de EUA, Reino Unido e Suécia, seu país tem “sérios indícios” da possibilidade de “retaliações” contra Assange, “que podem colocar em risco sua integridade, segurança e inclusive sua vida”.

Na argumentação, o Equador considera que, se Assange “for levado para a prisão preventiva na Suécia, terá início uma série de eventos que impediriam evitar uma extradição” para um terceiro país, como os EUA.

O governo britânico falou que continua tentando uma “solução diplomática” para o caso, e o impasse prosseguia. Mesmo com o asilo já concedido, Assange tem poucas chances de deixar a embaixada do Equador em Londres sem ser preso.

Informações de G1

FOTO: reprodução / AP

Compartilhar

Dois brasileiros suspeitos de matar três pessoas são queimados vivos na Bolívia

Avançar »

Rússia condena banda punk por realizar protesto contra Vladimir Putin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*