Anvisa cancela registro de próteses de silicone que apresentaram problemas na França

Implantes da PIP apresentam maior risco de rompimento e vazamento. Agência recomenda que mulheres procurem seus médicos.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Depois de autoridades sanitárias francesas constatarem que a Poly Implants Protheses – PIP, também da França, usou um tipo de silicone não autorizado para preencher próteses, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa decidiu cancelar o registro da empresa.

Leia Mais

França suspeita de problemas em 25 mil próteses de mama implantadas em brasileiras

Na semana passada, o governo francês recomendou às mulheres a retirar os implantes da marca PIP, porque eles apresentam maior risco de rompimento e vazamento. As cirurgias serão pagas pelo governo.

O Brasil importou 34.631 próteses, e  24.534 foram implantadas. A Anvisa irá recolher os produtos da marca que não foram utilizados. Desde abril de 2010, o uso dessa marca de prótese de seio estava suspenso no Brasil.

A Vigilância Sanitária não registra problemas com os implantes nas brasileiras, mas aconselha que as pacientes com próteses da marca PIP procurem seus médicos para uma avaliação clínica. De acordo com a agência reguladora, os testes feitos na França descartaram ligação do produto com casos de câncer.

Informações de Agência Brasil

FOTO: Sebastien Nogier / AFP

Compartilhar

Notícia do câncer da presidente argentina Cristina Kirchner é divulgada no Dia da Mentira

Avançar »

Mitt Romney vence prévia republicana em Iowa por apenas oito votos

2 comentários

  1. Margareth
    15 de abril de 2012

    Olá, sou de Novo Hamburgo e gostaria de fazer o processo, minha amiga fez com vcs em janeiro e estou acompanhando com ela pelo link que o Dr. Macohin enviou. Fiquei muito chateada quando descobri que a Vigilância Sanitária não registra problemas com os implantes nas brasileiras, mas aconselha que as pacientes com próteses da marca PIP procurem seus médicos para uma avaliação clínica. De acordo com a agência reguladora, os testes feitos na França descartaram ligação do produto com casos de câncer.

    Responder
  2. suelyn
    11 de junho de 2012

    esse assunto é mt importante ; para minha materria geografia .

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*