Tragédia no Rio: Estudantes de cidade americana vítima de chacina mandam recado para Realengo

Escola em Columbine sofreu com morte de 12 adolescentes e um professor, em 1999. Cartaz será enviado à Tasso da Silveira.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Estudantes de uma escola em Littleton, cidade americana que foi palco do massacre de Columbine em 1999, enviaram mensagens para as vítimas da tragédia na Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro Realengo, Rio de Janeiro.

Leia Mais

Tragédia no Rio: Salas em que ocorreram assassinatos não terão mais aulas

Tragédia no Rio: Movimento na escola, fechada, é intenso

Um grande cartaz feito por alunos de uma escola próxima à escola Columbine mostra que a tragédia carioca mexeu com a comunidade americana. No papel, a assinatura de estudantes e também palavras em português, escritas com a ajuda de duas alunas brasileiras. O cartaz será enviado à Escola Tasso da Silveira, onde, no dia 07 de abril, 12 crianças foram mortas pelo ex-aluno Wellingotn Menezes de Oliveira.

“Quando olharem o cartaz eles vão saber que outras pessoas no mundo sabem o que está acontecendo e que não estão sozinhos. A gente sente alguma coisa por eles”, explicou a brasileira. A mãe de uma aluna confirma a dificuldade que as pessoas de Columbine têm de encarar o passado. “As pessoas não falam sobre isso. É como se fosse uma vergonha nacional. É como se estivessem de luto até hoje”, disse ela.

No dia 20 de abril de 1999, Dylan e Eric, dois alunos do Instituto Columbine, entraram na escola armados e mataram 12 adolescentes e um professor. Dezenas de jovens ficaram feridos. Horas depois, cercados pela polícia, os atiradores decidiram se matar.

MARCAS – Uma das sobreviventes do massacre de Columbine, Crystal Muller, tinha 16 anos na época do episódio. Durante o ataque ela ficou embaixo de uma mesa, ao lado do corpo de uma amiga morta. Foram, segundo ela, anos com medo e depressão.

“Vocês não estão sós. Há pessoas que estão rezando por vocês e que os acompanham por todo o mundo”, disse ela aos alunos de Realengo.

Quase 12 anos depois da tragédia em Columbine, o massacre é lembrado num memorial, com quadros pregados em um muro, exibindo frases escritas por pais, alunos e professores. “Eu estaria enganando você se eu dissesse que compreendo tudo o que aconteceu. Eu não compreendo”, escreveu um estudante.

Informações de portal G1

FOTO: reprodução / Rede Globo

Compartilhar

Mais tremores afetam Japão e autoridades igualam situação a Chernobyl

Avançar »

Cientistas apontam mudanças climáticas como causa de terremotos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*