• Visualizações 726

Bento XVI admite erros da Igreja em relação a casos de abuso

Durante visita à Inglaterra, o papa afirma que as autoridades “não foram suficientemente vigilantes e suficientemente rápidas para tomar as medidas necessárias”.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A caminho da primeira parada de sua visita ao Reino Unido, o Papa Bento XVI admitiu, nesta quinta-feira, dia 16, que a Igreja Católica falhou na reação aos casos de abuso sexual cometidos por padres.

A bordo do avião que o levou a Edimburgo, na Escócia, o pontífice disse que a prioridade agora é ajudar as vítimas para recuperar a confiança na Igreja. As declarações de Bento XVI foram classificadas como algumas das mais contundentes já feitas por ele desde a revelação da série de escândalos que atingiu a Igreja em diversos países na Europa.

“As autoridades da Igreja não foram suficientemente vigilantes e suficientemente rápidas para tomar as medidas necessárias”, disse o pontífice sobre os abusos, afirmando estar triste e chocado com a extensão dos casos. “É difícil entender como essa perversão do ministério sacerdotal foi possível”.

Depois de receber as boas-vindas da rainha Elizabeth II, o Papa criticou o “extremismo ateu” e lembrou a atuação de britânicos na Segunda Guerra Mundial, que “se opuseram a uma tirania nazista que pretendia erradicar Deus da sociedade”.

“Enquanto refletimos sobre as advertências do extremismo ateu do século XX, não podemos nunca esquecer como a exclusão de Deus, da religião e da virtude pública conduz em última análise a uma visão truncada do homem e da sociedade”, disse.

Visita à Inglaterra

Com os católicos representando a minoria dos religiosos no Reino Unido, majoritariamente anglicano, a visita de quatro dias do Papa deve ser marcada por protestos.

Camisetas com a frase “Papa não” são vistas por várias partes da capital, Londres. Bento XVI reconheceu que o país tem “uma grande história de anticatolicismo”.

“Mas é também um país com uma grande história de tolerância”, afirmou o Papa, que no avião respondeu a perguntas enviadas previamente por jornalistas.

À tarde, o pontífice reza uma missa em Glasgow para a qual ainda havia centenas de ingressos encalhados. A cobrança de até 25 libras dos fiéis que quiserem assistir ao Papa foi alvo de críticas antes da visita.

Em outra polêmica, o cardeal Walter Kasper, que iria com Bento XVI a Inglaterra e Escócia, desistiu da viagem depois de dizer a uma revista que o Reino Unido é marcado por um ateísmo “novo e agressivo” e que parece de “terceiro mundo”.

A viagem também vem sendo marcada pelo descontentamento dos contribuintes britânicos em pagar parte da conta da visita, a primeira com caráter de Estado de um Papa ao Reino Unido. Em 1982, João Paulo II arrastou multidões no país em viagem pastoral, organizada pela Igreja.

Informações de O Globo

FOTO: reprodução / AP

Compartilhar

Brasil lidera ranking que mede progresso no combate à pobreza

Avançar »

Chilenos soterrados podem ser resgatados antes do previsto

sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*