• Visualizações 532

Embaixador do Irã nega fabricação de bomba atômica

O embaixador iraniano negou a produção de bombas e não poupou elogios ao Brasil, destacando o fim do bipolarismo no mundo.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A uma semana da viagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Irã, o governo do presidente iraniano, Mahomoud Ahmadinejad, atacou os Estados Unidos e os países que defendem as sanções por causa de seu programa nuclear.

O embaixador do Irã no Brasil, Mohsen Shaterzadeh, negou nesta sexta-feira, dia 07, a existência de produção de bombas atômicas em seu país. Segundo ele, os esforços de Ahmadinejad são pelo direito de desenvolver uma tecnologia destinada a fins pacíficos de energia nuclear.

“Ao nos acusar [de produzir armas atômicas], esses países ocidentais estão colocando como significado de energia atômica a bomba atômica”, afirmou o embaixador em entrevista coletiva concedida nesta sexta-feira em Brasília. “O Irã não tem bomba atômica nem vai produzir bomba atômica. Energia nuclear é uma tecnologia, um avanço na ciência humana, que vamos usar com objetivo pacífico e humanitário”.

De acordo com o diplomata, o governo Ahmadinejad se dispõe a trocar urânio levemente enriquecido por combustível para os reatores nucleares. No entanto, exige duas condições: que o processo se desenvolva paralelamente e não em duas etapas, assim como que o local a ser utilizado para a operação seja em território iraniano.

“O Irã propõe que o local para a troca seja no nosso país mesmo. Nós temos duas condições – que a troca seja feita ao mesmo tempo. Nós precisamos para isso de garantias concretas. Se essa primeira condição for resolvida, a segunda condição – que é o local”,  pode ser solucionada”, disse o embaixador.

Segundo ele, os ocidentais devem dar as garantias de que a troca será feita nos termos acordados. “Estamos dispostos a atuar para a troca do urânio. Mas os ocidentais têm de demonstrar a sinceridade deles. “Quando o Irã perceber sinceridade do lado ocidental, esse assunto será fácil de ser resolvido”, disse ele. Em seguida, foi contundente: “O Irã não se inclina frente à imposição, mas diante de um diálogo com justiça e legal”.

A relação com o Brasil

O embaixador evitou confirmar que o Brasil poderia servir como um território depositário para o enriquecimento do urânio do Irã. Segundo ele, esse tema só poderá ser aprofundado depois da reunião entre Lula e Ahmadinejad, na semana que vem, em Teerã.

Lula estará em Teerã entre os dias 15 e 17 de maio. De acordo com o diplomata, a visita do presidente brasileiro é histórica. Ele não poupou elogios a Lula.

“A viagem do presidente Lula é histórica e tem grande importância. Nós estamos agora vivendo uma nova era no mundo, que é o fim do período de bipolarismo, pois com a ‘morte’ do [ex-presidente George] Bush assistimos ao fim do bipolarismo. Agora, começamos o período do multilateralismo, tendo a participação de países como o Brasil, Irã, a China e Índia”, disse o embaixador.

Informações da Agência Brasil

FOTO: reprodução

Compartilhar

Dormir pouco pode aumentar risco de morte prematura

Avançar »

Fórmula 1: Mark Webber vence o GP da Espanha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*