• Visualizações 905

Dormir pouco pode aumentar risco de morte prematura

Estudo britânico revela que quem dorme menos que seis horas por noite tem mais chances de morrer em um prazo de 25 anos.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Quem dorme pouco tem 12% mais chances de morrer em um prazo de 25 anos do que os que descansam entre seis e oito horas pela noite, afirma estudo realizado por cientistas britânicos.

O estudo, publicado na revista científica Sleep, foi realizado por uma equipe da Universidade de Warwick e da Universidade Federico II da escola de medicina em Nápoles, e observou que a falta de sono está associada a doenças, incluindo doenças cardíacas, pressão alta, obesidade e diabetes. Mais de 6,3 milhões de mortes no Reino Unido entre maiores de 16 anos são atribuíveis à falta de sono.

No estudo, realizado pelo programa de sono, saúde e sociedade da universidade de Warwick e o centro de pesquisa do sonho de Loughborough, ambos da Inglaterra, participaram 1,5 milhão de pessoas e revisaram as conclusões de até 16 estudos anteriores realizados nos Estados Unidos, Europa e países do leste de Ásia.

O chefe do programa de sono, saúde e sociedade, Francesco Cappuccio, assinala nesse estudo que as sociedades modernas dormem menos, situação que se repete com maior freqüência entre os trabalhadores. Segundo Cappuccio, isso pode ter “pressão social para trabalhar mais horas e oferecer maior mobilidade laboral”.

Dormir é sinônimo de

saúde física e mental

Jim Horne, do centro de pesquisa do sono, afirma que dormir é sinônimo de saúde física e mental, já que o sono interfere em várias doenças, como a depressão. “Dormir menos de cinco horas é insuficiente para a maioria das pessoas e ficar sonolento durante o dia aumenta o risco de acidente em caso de dirigir um veículo ou conduzir uma máquina pesada”, ressaltou Horne.

“Dormir consistentemente de seis a oito horas por noite pode ser ótimo para a saúde. A duração do sono deve ser considerada como um fator de risco adicional de comportamento, ou marcador de risco, influenciado pelo ambiente e, eventualmente, passível de mudança através da educação e aconselhamento, bem como através de medidas de saúde pública que visam modificações favoráveis dos ambientes físicos e de trabalho”, disse o professor.

Dormir demais também pode trazer conseqüências, já que os cientistas encontraram relação entre as mortes precoces e dormir mais de nove horas, embora não considerem que seja desencadeante de doenças.

Informações do jornal Guardian e agência EFE

FOTO: reprodução / stock.xchng

Compartilhar

Ranking mundial de clubes: Inter sobe, Grêmio desce

Avançar »

Embaixador do Irã nega fabricação de bomba atômica

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*