Rio dos Sinos volta a baixar

Para o Consórcio Pró-Sinos, queda de um metro no nível do manancial em apenas três dias é atribuída, sobretudo, à captação de água para irrigação de arrozais na região.

Felipe de Oliveira felipe@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Não devem durar muito as mudanças adotadas essa semana pelas operadoras de abastecimento de água das duas maiores cidades do Vale do Sinos.

Leia Mais

São Leopoldo reduz horário de racionamento

Novo Hamburgo suspende o racionamento de água

Com a chuva do último fim de semana, Novo Hamburgo suspendeu os cortes e São Leopoldo reduziu de oito para cinco horas o período em que os consumidores ficam sem água. Só que nesta quarta-feira, dia 04, o rio voltou a preocupar. Em três dias, de domingo a quarta-feira, o nível baixou quase 1 metro na base de captação do Semae, responsável pelo abastecimento dos leopoldenses: de 2,42 m para 1,50 m.

Para o diretor-executivo do Consórcio Público de Saneamento Básico da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos (Pró-Sinos), Julio Dorneles, só a suspensão total da captação para irrigação das plantações de arroz será capaz de garantir o abastecimento durante o verão.

Assessores jurídicos dos Pró-Sinos, do Semae e da prefeitura de São Leopoldo trabalham em uma ação que pretende proibir os arrozeiros de captar. O município deve ingressar na justiça na semana que vem, quando o prefeito Ary Vanazzi (PT) volta de férias. Em Novo Hamburgo, onde na quarta o rio estava a 1,13 m da bomba da Comusa – Serviços de Água e Esgoto, a prefeitura também avalia mover ação nesse sentido. Caso não chova mais essa semana, até sábado o nível do manancial pode estar perto de 1 metro novamente, avalia Julio Dorneles.

Os acordos firmados no Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos (Comitesinos) estabelecem que restrições aos produtores para a captação começam a ser impostas apenas quando o rio chega a 60 centímetros da bomba de captação do Semae, 72 cm na Comusa e 80 cm na Corsan, em Campo Bom. Conforme o coordenador regional do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), José Gallego Tronchoni, cada lavoura capta, em média, 2 metros cúbicos por segundo.

Barragem do Salto abaixo da média

Apesar da chuva do fim de semana de ano-novo, o nível da água na barragem do Salto, em São Francisco de Paula, segue a 1,76 metro abaixo da média. A informação é do chefe da Divisão do Salto, Everton Vieira. Esse número inviabiliza o aumento da quantidade de água que vai do Rio Caí para o Sinos, como a Comusa e o Semae chegaram a sugerir em novembro, antes de aplicarem planos de racionamento.

A direção da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), que opera a barragem, descartou a hipótese de elevar a vazão do sistema de transposição de água, à época, em nota oficial, para não comprometer o abastecimento dos moradores do Vale do Caí.

FOTO: Felipe de Oliveira / novohamburgo.org

Compartilhar

Ramarim comemora 50 anos

Avançar »

Porto Alegre: Datelli terá nova loja no Bourbon Shopping Ipiranga

sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*