Rio dos Sinos: Qualidade da água captada preocupa

Operadoras de abastecimento enfrentam problemas no tratamento em Novo Hamburgo e São Leopoldo. Racionamento nas duas maiores cidades da região seguirá por tempo indeterminado. .

Felipe de Oliveira felipe@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Não é só com a escassez de água que os moradores do Vale do Sinos precisam se preocupar diante do baixo nível do rio. A qualidade também deixa as operadoras em alerta.

Leia Mais

Rio dos Sinos: nível da água sobe, mas calor é sinal de alerta

Em São Leopoldo, o Serviço Municipal de Água e Esgoto está gastando 20% a mais com tratamento e manutenção do sistema de captação. Na segunda-feira, dia 19, a Comusa – Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo chegou a suspender o abastecimento por causa da sujeira que as bombas estavam captando, atingindo oito bairros e mais de 100 mil consumidores.

Terça, na base da Comusa, o nível do manancial estava em 2,28 metros e no Semae chegava a 1,4 m. Os índices de qualidade medidos pelo Consórcio Pró-Sinos no pior trecho, entre a foz dos arroios Portão e João Corrêa, em São Leopoldo, agravam o cenário. O oxigênio dissolvido era 1,8 miligramas por litro, quando o mínimo aceitável é 2 mg/L. A condutividade indicava a presença de metais pesados; não pode passar de 80 microSimens por centímetro (µS/cm) e estava em 182,1 µS/cm. Para o diretor-executivo do consórcio, Julio Dorneles, números de um arroio poluído.

Com a baixa vazão, a capacidade de autodepuração do rio diminui e aumenta a concentração de efluentes industriais e domésticos. As operadoras são obrigadas, portanto, a aumentar a quantidade de produtos químicos para o tratamento. Segundo o diretor do Semae, Luiz Antonio Castro, são adicionados mais cloro e sulfato de alumínio para tornar a água potável e para tirar o odor são utilizados até 750 quilos de carvão ativado por dia – em condições normais seriam necessários apenas 310 kg.

A portaria 2.914 do Ministério da Saúde, de dezembro de 2011, que estabelece normas para a potabilidade, indica 15 como grau permitido na coloração da água, limite atingido em Novo Hamburgo segunda-feira, quando a Comusa teve que suspender o abastecimento até que as impurezas fossem removidas. O diretor Mozar Dietrich garante, contudo, que a qualidade mínima está sendo oferecida. “Mesmo mais escura a água continua sendo potável”, argumenta. Com o nível do manancial normal, o grau fica entre 2 e 3.

Consumidores reclamam da cor

water in a glassAs duas maiores cidades da região aplicam planos de racionamento desde o início de dezembro, sem data para encerrá-los. Em Novo Hamburgo, que começou primeiro, o abastecimento é suspenso entre 22h e 4h, de segunda à sexta-feira. São Leopoldo faz os cortes todos os dias, das 7h às 15h.

Mesmo quando tem água na torneira, há quem prefira uma alternativa mais segura. É o caso da hamburguense Jussara Bervian, moradora do bairro Roselândia: “A água está muito amarelada, por isso preferimos comprar no mercado”.

Jackson Müller, assessor de Meio Ambiente do Ministério Público Estadual, se diz atento. “As operadoras têm responsabilidade e afirmam que a água atende aos padrões, mas a população está sentindo a diferença”, pondera o biólogo, lembrando que para investigar a qualidade da água o MP precisa ser demandado.

De acordo com Müller, a resolução 357 de 2005, do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), enquadra o Rio dos Sinos no nível 4, impróprio para o abastecimento doméstico, o que faz com que as operadoras tenham, naturalmente, mais trabalho para tratar a água. Com a escassez de chuva a situação fica ainda mais grave.

FOTOS

Felipe de Oliveira / novohamburgo.org

Ilustrativa / stock.xchng

Compartilhar

BR 116: Liberação do viaduto da Unisinos fica para janeiro

Avançar »

Após calor de 40 graus, temporal causa estragos

sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*