Rio dos Sinos: Produtos químicos causaram morte de peixes

Relatório do Consórcio Público de Saneamento Básico da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos divulgado nesta quinta-feira indica que houve despejo ilegal de efluentes industriais na água.

Felipe de Oliveira felipe@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A morte de dezenas de peixes em São Leopoldo, no último dia 23 de novembro, pode ter sido crime ambiental.

Leia Mais

Rio dos Sinos: Peixes mortos alertam para risco de tragédia ambiental

Relatório divulgado nesta quinta-feira, dia 1º, pelo Consórcio Público de Saneamento Básico da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos (Pró-Sinos) indica que os animais foram intoxicados por produtos químicos de origem industrial. Na quarta-feira, 30, houve nova mortandade, maior do que a anterior.

Para o coordenador do Pró-Sinos, Julio Dorneles, não restam dúvidas de que há despejo ilegal de efluentes no manancial. Segundo ele, o baixo nível da água, o calor e a pequena quantidade de oxigênio potencializam a ação das substâncias nocivas. As análises dizem respeito ao trecho do rio entre os arroios João Corrêa e Portão. Ontem, uma mancha vinda do arroio Pampa, em Novo Hamburgo, foi identificada na base de captação de água do Serviço Municipal de Água e Esgoto de São Leopoldo (Semae).

O trabalho agora é para descobrir que empresas estariam despejando efluentes em excesso. A titular da Delegacia de Proteção Ambiental da Polícia Civil, Elisângela Reghelin, explica que inquérito foi instaurado para investigar o caso, mas ainda não é possível apontar conclusões. “Já solicitei os resultados de todas as análises que foram feitas a partir do material coletado no rio”, revela a delegada, em entrevista ao Portal novohamburgo.org. O prefeito leopoldense, Ary Vanazzi (PT), presidente do Pró-Sinos, garante que os municípios da região vão intensificar a fiscalização para prevenir desastres ambientais.

Elisângela Reghelin não acredita que o despejo ilegal, neste momento, tenha sido a principal causa das mortandades. “É um somatório de fatores e a escassez de chuva foi o estopim, o que não quer dizer que não haja o vazamento de produtos químicos”, argumenta, lembrando que o Sinos é o terceiro rio mais poluído do Brasil.

O esforço da delegada é no sentido de viabilizar ações preventivas. Ela já conseguiu aeradores para movimentar a água e melhorar a oxigenação. Precisa, ainda, de geradores de energia para fazer os equipamentos funcionarem. “Temos que contar com a colaboração da iniciativa privada.”

Arrozeiros serão investigados

Desde segunda-feira, 28, a coleta de água para irrigação de lavouras de arroz está suspensa, conforme acordo entre o setor e o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos (Comitesinos). Entretanto, Julio Dorneles diz haver indícios de que alguns arrozeiros descumpriram a determinação até quarta, pelo menos.

A delegada Elisângela Reghelin solicitou ao Departamento de Recursos Hídricos, órgão da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, informações sobre as outorgas de água. Ela quer saber quais produtores estão autorizados a captar e qual é a quantidade permitida. Não está descartada a abertura de inquérito.

FOTO: Felipe de Oliveira / novohamburgo.org

Compartilhar

São Leopoldo: Barragem facilitará captação de água no Sinos

Avançar »

Sonda mediará qualidade da água do Rio dos Sinos

Um comentário

  1. Marcos Angelo Robinson
    3 de dezembro de 2011

    Até quando vamos ficar a merce destes criminosos que fazem despejo ilegal, de captação de água para irrigação de lavouras sem controle?
    As autoridades tem que fazer fiscalização ostensiva e não correr atras depois que o estrago foi feito.
    Multa, cadeia, fiscalização já………

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*