Aeronave auxilia nas buscas por jovem desaparecido no rio Tramandaí

Edson Dullius Júnior, de 19 anos, desapareceu após uma caminhonete atropelar pessoas na ponte que une Tramandaí a Imbé. 

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Iberê Vargas Braga, 21 anos, perdeu o controle de uma caminhonete S-10 no final da tarde de sábado, dia 17, atropelou pessoas que pescavam ou passeavam pela ponte que une Tramandaí a Imbé, no Litoral Norte, e lançou perto de uma dezena de vítimas ao rio.

Uma aeronave começou a auxiliar as equipes de buscas do Corpo de Bombeiros em Tramandaí que procuram por Edson Dullius Júnior, de 19 anos, na tarde desta segunda-feira, 19. Ele desapareceu em meio ao acidente.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o avião sobrevoará a região da lagoa e a costa, já que devido ao deslocamento da água, o corpo do jovem pode ter ido ao mar. Outras duas equipes se dividem nas buscas: enquanto um grupo vasculha a lagoa de lancha, mergulhadores procuram na água.

No acidente, pelo menos duas pessoas morreram. Segundo o delegado Roger Brutti, o condutor da S-10 pode ser indiciado por homicídio doloso (quando se assume o risco de matar) e tentativa de homicídio. O teste do bafômetro feito por Braga apontou 1,06 miligrama de álcool por litro de ar expelido dos pulmões do motorista preso em flagrante, o que significa cerca de três vezes além do limite caracterizado como crime pelo Código de Trânsito Brasileiro (concentração acima de 0,33).

Informações de Correio do Povo

FOTO: Emílio Pedroso / Agência RBS

Compartilhar

Professores e policiais civis se reúnem em frente ao Palácio Piratini para protestar

Avançar »

Depois de verão com 64% dos dias com calor intenso, outono chega prometendo variação climática

Um comentário

  1. 20 de março de 2012

    Infelizmente, precisa acontecer acidentes desta gravidade para que as pessoas possam lembrar que o desrespeito no trânsito já faz parte do cotidiano de todos nós. E que, ao ver rachas e palhaçadas de idiotas bêbados nas ruas, as pessoas não tomam uma atitude se quer. Simplesmente lamentam, quando muito dizem: Nossa… olha lá!!! Quando todos tiverem atitudes de cidadãos descentes, certamente esse tipo de cena deplorável será quase impossível de se ver ou saber… Liguem… denunciem… usem o serviço público responsável por fiscalizar… não fiquem parados feitos meros coadjuvantes, ou, quem sabe… enterrando um de seus parentes. Alexandre Barros.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*