Máquinas da Andrade Gutierrez não entram no Beira-Rio sem contrato assinado, afirma presidente do Inter

Reunião entre engenheiros da AG e comissão de obras do estádio tinha como foco específico o cronograma das obras da reforma. 

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

“Qualquer obra no Beira-Rio só terá início quando tivermos alguma coisa assinada com a Andrade Gutierrez [AG].” Quem afirma é o presidente do Inter, Giovanni Luigi (foto).

Leia Mais

Possibilidades de acerto entre Inter, Andrade Gutierrez e Banrisul estão “se esgotando”, diz presidente do banco 

Ministro está atento à reforma do Beira-Rio e não há chance de RS perder a Copa, dizem assessores

Na manhã desta segunda-feira, dia 05, durante reunião semanal entre os engenheiros da AG e a comissão de obras do estádio, os profissionais da construtora caminharam pelas arquibancadas do Beira-Rio. Luigi afirma, no entanto, que nesta segunda não será permitida a entrada de máquinas na casa do Inter. Conforme o presidente, a única possibilidade de liberação seria com um termo de compromisso da Andrade Gutierrez ou com o encaminhamento da assinatura do contrato.

Em fase de retomada da obras, o encontro desta manhã teria definido o novo cronograma da reforma, abalado devido à demora na assinatura do contrato e a obtenção das garantias da construtora junto ao Banrisul a fim de obter o financiamento necessário para custear a obra.

“Toda a segunda há reunião com eles, mas hoje havia um foco específico: o cronograma das obras”, afirmou o assessor da presidência, Maximiliano Carlomagno.

Cláusula que prevê rescisão não será aceita

A chegada de caminhões e maquinários de escavação e demolição alugados pela Andrade Gutierrez estava prevista para a tarde de segunda, além de pelo menos cinco operários para manejá-los.

Além disso, Luigi garante que o Inter não aceitará a cláusula na minuta que prevê rescisão do contrato caso o financiamento não saia em 120 dias.

“Desde o dia 15 de dezembro estamos prontos para assinar o contrato, portanto, por nós, estaríamos há dois meses e meio em obras”, declarou o presidente em entrevista à rádio Gaúcha.

Informações de Zero Hora

FOTO: divulgação / Internacional

Compartilhar

Temporais deixam 200 mil clientes sem luz no ápice do problema

Avançar »

Manifestantes da Via Campesina liberam cancelas de pedágio e protestam em Porto Alegre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*