De 11 lojas com contratos vencidos no aeroporto Salgado Filho, três fecham

Medida afeta loja de doces, joalheria, agência bancária, drogaria, livraria e cinco pontos da praça de alimentação.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O vencimento de contratos de 11 operações comerciais causou uma situação diferente no aeroporto Salgado Filho nesta quinta-feira, dia 1°: algumas lojas amanheceram fechadas e outras entreabertas.

Segundo a Infraero, apenas três pontos fecharam: uma loja de doces, uma joalheria e uma agência bancária. Por meio da assessoria de comunicação, a estatal informou que pode entrar na Justiça para garantir o fechamento de todos pontos com contratos vencidos.

A medida atinge a única drogaria do terminal, a livraria que funciona fora da área de embarque e cinco pontos da praça de alimentação. O Banco do Brasil comunicou que irá transferir suas operações – incluindo os quatro terminais automáticos – para a agência Anchieta, a mais de um quilômetro do aeroporto. O espaço do banco deverá ser ocupado por uma agência do Bradesco, que venceu a licitação ao oferecer um aluguel de R$ 45,5 mil.

Na última sexta-feira, 26 de agosto, a Infraero já havia comunicado oficialmente aos concessionários que as áreas deverão ser devolvidas respeitando os prazos contratuais. A partir desta quinta, os empresários terão 10 dias para entregar as lojas sob pena de despejo judicial.

Informações de ZeroHora.com

FOTO: Ronaldo Bernardi / RBS

Compartilhar

Fãs de Justin Bieber começam a adquirir ingressos para show do ídolo

Avançar »

Protestos da BM com queima de pneus continuam após adiamento das negociações

Um comentário

  1. marci
    2 de setembro de 2011

    Parabéns a Infraero em não ter renovado os contratos atuais por mais tempo e sim ter efetuado a licitação das áreas. Isto sim é transparência nos atos públicos. Caso as empresas atuais permanecessem na área, a manchete da imprensa seria a seguinte: “Infraero descumpre a Lei de Licitações e Contratos, deixando no local contratos ininterruptos sem licitação.” A Imprensa tem que parabenizar e não apenas criticar.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*