• Visualizações 1087

Caos nas emergências de Porto Alegre

Hospital Nossa Senhora da Conceição chega a ter 134 pacientes em atendimento numa sala com capacidade para apenas 50.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Os profissionais da saúde enfrentam nesta quinta-feira, dia 26, mais um dia de caos nas emergências superlotadas dos hospitais públicos da Capital. O Serviço de Emergência do Clínicas abriga 82 pacientes em espaço destinado a 49.

Leia Mais

Hospitais públicos de Porto Alegre suspendem cirurgias eletivas por causa da superlotação

Hospitais em Porto Alegre seguem superlotados

Já no Hospital Nossa Senhora da Conceição, médicos e enfermeiros mal conseguem espaço para caminhar entre as macas e cadeiras dispostas quase que encostadas umas nas outras. A instituição, que tem capacidade para a manutenção temporária de 50 pessoas na Sala de Observação e Procedimentos, mantém 134 pacientes em atendimento – a maioria aguarda pela liberação de leitos nas enfermarias.

No Complexo Hospitalar Santa Casa, o quadro não era diferente. No Hospital Santa Clara, 23 pacientes ocupam o espaço idealizado para oito. Já no Hospital da Criança Santa Antônio, a emergência do Sistema Único de Saúde – SUS registra dois excedentes e a de convênios e particular foi fechada por precaução. Mesma medida foi adotada na emergência de convênios e particular para adultos do Hospital Dom Vicente Scherer, que tem uma média de 2,1 pacientes por leito disponível.

Já no Hospital São Lucas, da PUCRS, há 26 pessoas em espaço destinado a 15. A direção do Instituto de Cardiologia decidiu retomar o fechamento do Setor de Emergência/SUS a partir do final da noite de ontem, quando 32 enfermos ocupavam área projetada para dez. Na unidade de convênios e particular, o tempo de espera por uma consulta estava próximo de 4 horas. Devido à greve dos médicos residentes, as consultas no Ambulatório/SUS estão sendo remarcadas.

Transferência de doentes

O coordenador do Serviço de Emergência do Clínicas, médico Luiz Nasi, destacou a necessidade de investimentos para a abertura de novos leitos na região Metropolitana – o déficit é estimado em 600. “Nós queremos abraçar o Hospital Independência, mas por questões políticas não conseguimos”, lamentou.

Nasi afirmou que o fim do caos das emergências está atrelado a decisões “práticas, imediatas e efetivas”. Nasi ainda lamentou que as cirurgias eletivas temporariamente suspensas estejam prejudicando pessoas que estão há mais de seis meses aguardando pelo procedimento.

Nos arredores do Clínicas, é constante a presença de elevado número de ambulâncias, micro-ônibus, vans e ônibus estacionados no entorno da Praça Major Joaquim de Queiroz, no bairro Santana. Todos os veículos,  devidamente identificados com a logomarca das prefeituras do Interior, fazem o transporte de enfermos na prática apelidada de “ambulancioterapia”.

“Despejam pacientes nos hospitais da Capital, muitas vezes para  tratamentos sem grande complexidade, mas que não é disponibilizado nas suas cidade de origem”, comentou a acadêmica de Medicina da UFRGS, Julia Melim, que reside nas imediações da praça.

Informações de Correio do Povo

FOTO: Cristiano Estrela / CP

Compartilhar

Serviços empregaram 6% mais em 2008 no Rio Grande do Sul

Avançar »

Fim de semana deve ser de chuva no Rio Grande do Sul

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*