Escolas estaduais em greve: professores param dia 15 de dezembro

Mobilização da categoria é contra projetos do Governo do Estado que alteram plano de carreira e retiram direitos. Votação na Assembléia Legislativa ocorre na próxima semana.

Da Redação redacao@novohamburgo.org

Se você estuda ou tem filhos em escolas estaduais, anote aí. A partir da próxima terça-feira, dia 15 de dezembro, os professores entram em greve por tempo indeterminado.

Leia Mais

Conheça o site oficial do CPERS/Sindicato

A categoria aprovou em assembléia geral do CPERS/Sindicato nesta quarta-feira, dia 09, a medida que visa barrar os projetos do Governo do Estado que alteram o plano de carreira e retiram direitos do funcionalismo. “Queremos denunciar à sociedade gaúcha que mais uma vez a governadora aposta no conflito”, diz a vice-presidente Neida Oliveira, justificando o movimento em entrevista à rádio Gaúcha. A dirigente critica a governadora Yeda Crusius (PSDB) pela falta de diálogo. A votação do “Pacotão do Governo Yeda” na Assembléia Legislativa está marcada para o dia em que começa a paralisação.

Aproximadamente cinco mil professores participaram do encontro no Gigantinho, em Porto Alegre. A proposta de greve foi encaminhada pelo Conselho Geral do CPERS e, conforme a assessoria de imprensa da entidade, só será suspensa caso o governo decida arquivar os projetos. O movimento desta terça-feira acabou com uma marcha dos professores e de outras categorias do quadro estadual até a Praça da Matriz, no Centro da Capital, em frente ao Palácio Piratini e à sede do Legislativo.

PREJUÍZOS

sala_vaziaO impasse entre professores e Governo do Estado é deflagrado no pior momento para os estudantes da rede pública estadual. Como houve duas semanas de prorrogação das férias de inverno em função da epidemia de Gripe Suína, justamente agora estão sendo aplicadas as provas na maioria das escolas.

Quem vai prestar vestibular tem ainda mais prejuízos. Algumas universidades já estão realizando as seleções e na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, por exemplo, ocorre no início de janeiro. O CPERS garante, contudo, que é política da entidade recuperar todos os dias sem aulas. O ano letivo já não tinha data para terminar em função da prorrogação das férias na metade do ano ter sido diferente em cada região do Estado.

Com informações da Imprensa do CPERS/Sindicato

FOTO: divulgação / CPERS/Sindicato

Compartilhar

RS registra queda nos índices de criminalidade em novembro

Avançar »

Possibilidade de temporais para está sexta-feira no Estado

6 comentários

  1. Alexandre
    10 de dezembro de 2009

    Vão trabalhar bando de vagabundos!!!!!
    Irresponsáveis;
    folgados e incompetentes!!!

    Responder
  2. Mateus
    13 de dezembro de 2009

    Se os sindicatos funcionassem de forma correta, sem interferencia de partidos politicos, nós estudantes nao estariamos sendo prejudicados, por professores que radicais que nao enxegam alem de seu proprio umbigo

    Responder
  3. Ana
    15 de dezembro de 2009

    Não acredito que pessoas atacam os professores, por isso que a educação não caminha> Não sabem o que falam e quando falam só sai m…Apoio os professores, uma luta justa, contra a hegemonia da Yeda, ela quer tornar a educação p o professor um bico e para alunos uma empresa!! SE LIGUEM, antes de falar bobagem (tenham conhecimento de causa)E para de olhar p o propio umbigo, pois se a categoria do magistério parar mesmo tu está lascado!!! E eu vou dar risada!! Vai estudar mané, pede professores para Yeda, pois ela não os quer!!

    Responder
  4. Ana
    15 de dezembro de 2009

    FORA YEDA, DEVOLVA, NOSSOS PROFESSORES AS ESCOLAS!!!!

    Responder
  5. Ana
    15 de dezembro de 2009

    FORA YEDA!! DEVOLVA NOSSOS PROFESSORES!!

    Responder
  6. Ana
    15 de dezembro de 2009

    ENQUANTO A YEDA ARROCHA OS PROFESSORES, OS POLICIAS, O BOLSO DELA ENGORDA E O DA FILHA DELA TAMBÉM!! VAMOS DIZER NÃO A CORRUPÇÃO.
    INFELIZMENTE A SOCIEDADE É MANIPULADA PELA MÍDIA DE MASSA, QUE SE FEZ O SIGNIFICADO DA PALAVRA REVOLUÇÃO, POIS NA VERDADE É O QUE DEVERÍAMOS FAZER!!
    VAMOS LUTAR AO LADO DOS NOSSOS PROFESSORES!! É ISSO QUE O GOVERNO YEDA QUER UM POVO SEM EDUCAÇÃO, VOTA EM QUEM OFERECE CESTA BÁSICA, É O CLIENTELISMO DITADO PELO GOVERNO ATUAL!!!!

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*