Tentativa de adiar o julgamento de Bruno é impedida por juíza

Ex-goleiro chora em julgamento que teve início às 11h45 minutos desta segunda feira. Sessão teve que ser interrompida para o almoço por juíza.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A defesa de Bruno teve sua primeira derrota na manhã desta segunda-feira, dia 04 de março. Antes do julgamento do ex-goleiro do Flamengo pelo assassinato de Eliza Samudio ser declarado aberto, a juíza Marixa Rodrigues negou qualquer pedido de adiamento do julgamento realizado pela defesa.

Os advogados do goleiro tentaram adiar o julgamento colocando em dúvida a autenticidade do atestado de óbito de Eliza, expedido pela juíza Marixa pouco depois da primeira etapa do julgamento, realizado novembro.

“Este atestado é uma fraude”, informa o defensor Lúcio Adolfo.

Os advogados afirmaram que, em novembro, o documento havia sido expedido tendo como base apenas o depoimento do réu Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão. Eles também alegam que na fala não teria sido informado o horário da morte de Eliza. Na época, a juíza não aceitou o pedido de anulação. A defesa recorreu da decisão e alegou nesta segunda-feira, antes do início do julgamento, que o fato de o recurso não ter sido apreciado significa efeito suspensivo.

“Colocamos a juíza numa sinuca de bico”, diz o assistente de defesa Thiago Lenoir.

O conselho de sentença vai ser formado por cinco mulheres e dois homens. Três testemunhas foram dispensadas. De acordo com funcionários do Fórum de Contagem, Jorge Luiz Rosa, primo do goleiro e uma das testemunhas mais aguardadas, ainda não chegou ao local do julgamento.

Informações de Ultimosegundo.com.br

FOTO: reprodução / ne10.uol.com.br

Compartilhar

Quase 90% das mulheres do Brasil se consideram bem-sucedidas profissionalmente

Avançar »

Pedreiro procura saco de dinheiro levado por enchente em Cubatão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*