Greve da PF teve situações de ilegalidade, segundo ministro da Justiça

José Eduardo Cardozo fez declarações durante o 1º Congresso Internacional do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público de estados e da União.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta quinta-feira, dia 16, que situações de ilegalidade foram identificadas durante a greve de policiais federais no país.

Os casos serão analisados e os envolvidos podem ser punidos com medidas disciplinares e judiciais. Segundo Cardozo, os abusos foram identificados em aeroportos e estradas, onde os grevistas fazem as chamadas operações-padrão.

“Temos situações que ultrapassaram o limite da legalidade em alguns casos, na semana passada, quando, por exemplo, pessoa aposentada foi a uma unidade de polícia para exercer uma função que não lhe cabe. Isso é, obviamente, uma ilegalidade”, disse.

De acordo com o ministro, o direito de greve deve ser preservado, desde que não “crie obstáculos à população” e não extrapole os limites legais. Sobre as negociações para pôr fim à greve, Cardozo informou que a pasta colabora com o Ministério do Planejamento, responsável por apresentar propostas às categorias.

O ministro da Justiça fez as declarações durante o 1º Congresso Internacional do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público de estados e da União.

A Federação Nacional dos Policiais Federais pede a reestruturação da carreira e equiparação salarial com os delegados. Com isso, os salários da categoria, que variam entre R$ 7 mil e R$ 11 mil podem chegar a R$ 13 mil.

Informações de Agência Brasil

FOTO: ilustrativa / dci

Compartilhar

Novo pacote de concessões inclui ferrovia que liga São Paulo a Rio Grande

Avançar »

Brasil registra 256,41 milhões de celulares no final de julho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*