Vazamento de petróleo está controlado, assegura Chevron

Executivo da empresa afirma que resta uma mancha de cerca de 16 litros, e espera que ela desapareça. Operação foi bem-sucedida, diz ele.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O vazamento de petróleo no Campo de Frade, na Bacia de Campos, já foi controlado, segundo o presidente da Chevron para África e América Latina, Ali Moshiri, assegurou nesta quinta-feira, dia 24.

Leia Mais

Chevron pode receber multas de R$ 260 milhões

A prioridade da empresa, agora, é selar e abandonar o poço com segurança, o que deve ser feito até meados de dezembro. Resta uma mancha que corresponde à décima parte de um barril de petróleo, ou seja, cerca de 16 litros. “Esperamos que ela desapareça e acreditamos que a operação foi bem-sucedida”, disse Moshiri, após reunião com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão.

O executivo não quis fazer previsão de quando a empresa voltará a atuar na extração de petróleo no país. “Isso depende do governo, não seria justo se eu fizesse uma previsão”.

Moshiri destacou que a unidade brasileira tem um dos melhores índices de segurança entre todas as operações da companhia no mundo. “Cada parte do reservatório é diferente, mas temos pessoal altamente qualificado trabalhando nisso. Devemos fazer uma avaliação mais detalhada para ter certeza de que não acontecerá de novo.” Na avaliação dele, a complexidade geológica da região pode ter contribuído para o acidente.

O ministro Lobão explicou que a empresa poderá continuar operando nos outros 11 poços que explora no Campo de Frade, mas está proibida de fazer novas perfurações, conforme determinação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP. “Até que a agência conclua as suas investigações e possa modificar os seus estudos e as suas determinações, eles continuarão impedidos de perfurar novos poços”, esclareceu o ministro.

Informações de Agência Brasil

FOTO: Rogerio Santana / Reuters

Compartilhar

Bolsonaro pede que presidente Dilma Rousseff “assuma” homossexualidade

Avançar »

Conselho Nacional de Justiça espera encerrar com acordos 170 mil processos na Semana de Conciliação

3 comentários

  1. JB
    25 de novembro de 2011

    Esse vazamento de óleo que ocorre no campo de frade com certeza foi criminoso e intencional. Não é muito estranho acontecer justamente quando diversos grupos da sociedade civil e do governo reivindicam os royalties do petróleo para o RJ , alegando que a extração e transporte do óleo traz danos e riscos ao meio ambiente da região. Só nos resta saber quem são as pessoas envolvidas nesse ato desesperador e criminoso para com todos!

    Responder
  2. maria pequenina
    25 de novembro de 2011

    a empresa lucra milhoes, a sociedade e a natureza sofre milhoes de preuizos por inresponsabilidades que ninguem assume

    Responder
  3. José Junior Fiorin
    7 de dezembro de 2011

    De Fato, acredito na hipótese de que ninguem estava contando com esta “catástrofe”, certamente foi uma falha,então, o primeiro passo agora, é recuperar a àrea, extraindo o petróleo que foi derramado, e multando à empresa causadora do problema, Parabenizo À atitude de Carlos Minc, Responsável pelo meio ambiente no Rio de Janeiro, por fazer com que a chevron pague o custeio para a retirada do óleo, só assim, mostramos à elas que o Brasil, por mais “problemas” que existam, a Lei é Válida, e está aqui para ser Cumprida!

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*