Taxa de emprego atinge 53,3% da população, diz IBGE

Coordenador do estudo afirma que não houve transferência de trabalhadores de um setor para o outro nos períodos pesquisados.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE divulgou nesta terça-feira, dia 19, que 53,3% da população economicamente ativa do país está empregada.

O índice corresponde ao nível de desocupação, que atingiu em junho o menor percentual da série da pesquisa, iniciada em 2002. O resultado reflete o aumento de empregos no setor serviços, que gerou 6,4% de postos de trabalho a mais entre junho do ano passado e o mesmo mês de 2011. A indústria também se destacou em junho, contratando 0,8% a mais que no mês anterior.

Os aumentos se refletiram no crescimento da taxa de ocupação de 2,3% entre junho de 2010 e o mesmo mês de 2011, o equivalente a 512 mil postos de trabalho. Porém, não fez subir a taxa em relação a maio deste ano e a população ocupada somou em junho 22,4 milhões de trabalhadores.

De acordo com o coordenador do estudo, Cimar Azeredo, não houve transferência de trabalhadores de um setor para o outro nos períodos pesquisados, o que mantém o desemprego estável no ano. Entre maio e junho de 2011, a taxa de desocupação diminuiu de 6,4% para 6,2% e na comparação com junho de 2010 a redução foi 0,8 ponto percentual.

Na passagem de um mês para o outro, a pesquisa também destaca que dois setores ligados ao consumo demitiram mais que contrataram e podem ter freado a queda da desocupação esperada para o fim do primeiro semestre. O comércio deixou de empregar cerca de 70 mil pessoas (-1,7%) e o outros serviços (turismo, restaurantes, etc), cerca de 40 mil (-1,2%).

“Existe uma redução na desocupação, mas não é suficiente para fazer a taxa reduzir significativamente”, disse Azeredo. Segundo ele, o esperado era uma taxa de desemprego menor, que não se concretizou por questões “exógenas”.

Cresce o poder de

compra da população

O pesquisador ressaltou que embora as contratações tenham diminuído nos dois setores ligados ao consumo, o poder de compra da população cresceu. O rendimento médio real teve aumento de 4% entre junho de 2010 e junho de 2011 e ficou em R$ 1.578.50. Em 2011, na comparação mês a mês, cresceu pela sétima vez consecutiva entre maio e junho.

“A perda [de empregos] no comércio foi 73 mil. Se essa queda fosse acompanhada da diminuição dos rendimentos, poderíamos dizer que representava redução do poder de compra, mas isso não é verdade”, assinalou Azeredo.

De acordo com ele, a organização do mercado de trabalho por causa de um cenário econômico mais favorável e maior formalização podem justificar o aumento.

Informações de Agência Brasil

FOTO: ilustrativa

Compartilhar

Ministério Público do RJ pede investigação criminal após explosão de mais um bueiro

Avançar »

Administradores são maioria entre os graduados pelo ProUni

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*