Extrema pobreza é realidade de 16,27 milhões de brasileiros

Programa “Brasil sem Miséria” será força tarefa para erradicar esta situação, e encerrará em quatro anos. Programas como Bolsa Família continuam.

 

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A ministra de Desenvolvimento e Combate à Fome, Tereza Campello, anunciou nesta terça-feira, dia 03, que o Brasil tem 16,27 milhões de pessoas em situação de extrema pobreza, o que representa 8,5% da população.

A identificação de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza foi feita pelo Instituto de Geografia e Estatística – IBGE a pedido do governo federal. O objetivo é orientar o programa “Brasil sem Miséria”, que será lançado, segundo Tereza (foto), nas próximas semanas pela presidente Dilma Rousseff. A meta do programa é garantir transferência de renda, acesso a serviços públicos e inclusão produtiva para resgatar brasileiros da miséria.

“Essa taxa [de 8,5% dos brasileiros em situação de miséria] indica que não estamos falando de uma taxa residual. A taxa de extrema pobreza atinge quase um brasileiro a cada dez”, afirmou o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea, Márcio Pochmann, que participou da entrevista coletiva ao lado do presidente do IBGE, Eduardo Pereira Nunes, e da ministra Tereza Campello.

De acordo com o IBGE, do contingente de brasileiros que vivem em condições de extrema pobreza, 4,8 milhões têm renda nominal mensal domiciliar igual a zero, e 11,43 milhões possuem renda de R$ 1 a R$ 70.

CAMPO – Segundo o IBGE, 46,7% das pessoas na linha de extrema pobreza residem em área rural. No entanto, apenas 15,6% da população brasileira mora no campo. A região Nordeste concentra a maior parte dos extremamente pobres – 9,61 milhões de pessoas ou 59,1%. Destes, a maior parcela (56,4%) vive no campo, enquanto 43,6% estão em áreas urbanas. A região Sudeste tem 2,72 milhões de brasileiros em situação de miséria, seguido pelo Norte, com 2,65 milhões, pelo Sul (715,96 mil), e o Centro Oeste (557,44 mil).

Governo promete erradicar

pobreza “quase por completo”

A ministra Tereza Campello afirmou que a pesquisa do IBGE vai ajudar a direcionar as ações do “Brasil sem Miséria”. Segundo ela, o governo será capaz de erradicar quase que por completo a extrema pobreza em quatro anos.

“A idéia é de que estamos fazendo um esforço extraordinário do governo federal, dos governos estaduais e dos municípios para erradicar a extrema pobreza. Não estamos falando de um plano que continuará, mas de uma força tarefa [para erradicar a pobreza em quatro anos]. O plano acaba em quatro anos”, disse a ministra.

Ela explicou que os programas sociais que beneficiam famílias pobres, mas com renda superior a R$ 70 – como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida – continuarão.

“Continuaremos com as ações de transferência de renda e ações de saúde e educação na faixa dos R$ 70 a R$ 140. Mas quando você vê o grau de fragilidade para os que vivem abaixo dessa faixa, justifica que a gente tenha um olhar especial”, disse, explicando a escolha de dedicar próximo programa do governo aos brasileiros que ganham menos de R$ 70.

 

 

 

 

 

Informações de portal G1

FOTO: reprodução / Antonio Cruz-ABr

 

Compartilhar

Do início do Plano Real até 2010 a pobreza diminuiu 67% no Brasil

Avançar »

Cantor Marrone recebe alta após ficar 12 horas em UTI

sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*