Do início do Plano Real até 2010 a pobreza diminuiu 67% no Brasil

Resultados do estudo foram divulgados nesta terça-feira e consideram que não houve grande aumento de renda, mas os números surpreendem em termos de distribuição.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Estudo indica que a pobreza no Brasil caiu 67,3% no Brasil do início do Plano Real até 2010. A pesquisa divulgada nesta terça-feira, 03, foi produzida pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e analisou a Desigualdade de Renda na Década, desde a criação do Plano Real, em 1994. Nos últimos dez anos, os 50% mais pobres tiveram crescimento de 69% em sua renda e a renda dos 10% mais ricos cresceu 10%.

Leia também:

Extrema pobreza é realidade de 16,27 milhões de brasileiros

O estudo mostra que a pobreza diminuiu em 50,6% durante o governo do presidente Lula, de junho de 2003 a dezembro de 2010, e que, de 1994 a 2002, a pobreza caiu 31,9%. Ao longo de 2010, a pobreza foi reduzida em 16%.

Para chegar a esses índices, foram utilizados dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e também o Índice de Gini, que mede a desigualdade de renda entre os indivíduos.

Investimentos para redução da pobreza

A pesquisa indica que os investimentos sociais e o investimento público em educação foram fatores fundamentais para a redução acelerada da pobreza. “O efeito educação é o principal responsável pelo crescimento da renda dos mais pobres em cerca de 40% mais que a dos ricos. A taxa de escolaridade aumentou para esse grupo e isso afetou diretamente na renda”, afirmou o coordenador da pesquisa, Marcelo Néri, que se disse surpreso com os dados.

Distribuição de renda

Para o coordenador da pesquisa, o período estudado não indica números excepcionais em aumento de renda, mas os números surpreendem em termos de distribuição de renda. “A má notícia é que a desigualdade no Brasil ainda é uma das mais altas do mundo e que o desafio ainda é enorme no alcance da meta do milênio de erradicação da miséria. Mas a desigualdade segue em queda, inclusive com mais força”.

“Na minha opinião, assim como os anos 80 foram a década da democratização, os 90 foram a da estabilização, a década passada foi a da redução das desigualdades”, concluiu Marcelo Néri.

 

Informações ABr

Foto: reprodução

Compartilhar

Produção industrial cresce em março

Avançar »

Extrema pobreza é realidade de 16,27 milhões de brasileiros

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*