Tragédia no Rio: Escola em que 12 crianças morreram reabre com nova fachada

Tentativa de superar o trauma do último dia 07 inclui atividades com estudantes, professores, funcionários e familiares das vítimas.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Depois de 11 dias da tragédia no bairro Realengo, no Rio de Janeiro, a escola Tasso da Silveira reabre com nova fachada, mas ainda com sinais do massacre: flores e cartazes permanecem no local.

Leia Mais

Fotos revelam “intimidade” de atirador com armas

A Secretaria de Educação do município programou para esta segunda-feira uma cerimônia denominada reinvenção da escola, reunindo alunos e suas famílias, professores e funcionários.

Os estudantes devem montar um mosaico nos muros, que já ganharam cores novas e um aquário será instalado no colégio. Paralelamente, a secretaria e a direção da escola decidiram que as salas de aula onde ocorreram os ataques serão remodeladas. A idéia é que se transformem em salas de leitura e atividades complementares.

Desde a tragédia, alunos, parentes, professores e funcionários, segundo as autoridades do Rio, recebem atendimento psicológico na tentativa de superar o trauma. No último dia 07, Wellington Menezes de Oliveira invadiu duas salas de aula e disparou cerca de 60 tiros usando duas armas.

O ataque do ex-estudante da Tasso da Silveira provocou 12 mortes e deixou 13 feridos. Ao ser cercado por um sargento da Polícia Militar, o atirador se suicidou. Nas investigações, os policiais descobriram mensagens deixadas por Oliveira, que alegou ter sofrido bullying – violência ocorrida repetidas vezes – no colégio.

Parentes e conhecidos de Wellington de Oliveira informaram que ele tinha um comportamento estranho e se interessava por episódios envolvendo grandes ataques no mundo. A polícia descobriu também que o ex-aluno da escola planejava o crime desde o ano passado.

Informações de Agência Brasil

FOTO: reprodução / Futura Press

Compartilhar

Homem que ateou fogo na bandeira nacional faz novo protesto

Avançar »

Campanha contra exploração sexual de crianças busca reunir 50 mil tweets

Um comentário

  1. carla munhoz
    18 de abril de 2011

    eu acho um abisurdo tudo que aconteceu…

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*