• Visualizações 1907

Uso da “cadeirinha” já é obrigatório, mas ainda gera dúvidas

Motoristas reclamam da falta de estoque dos equipamentos nas lojas e dos problemas gerados pelos diferentes tipos de aparelhos e cintos de segurança.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

No dia em que entra em vigor no país a resolução determinando que o transporte de crianças com até sete anos e meio em carros de passeio seja feito em cadeirinhas adequadas ao peso e à idade, muitos pais ainda têm dúvidas.

Leia Mais

Trânsito: Obrigatoriedade de cadeiras para crianças começa dia 1º

A partir desta quarta-feira, dia 1°, crianças com até um ano só podem ser transportadas no bebê conforto. Já as de um a quatro anos devem ir em cadeirinhas, e aquelas entre quatro e sete anos e meio devem usar o chamado booster (assento de elevação). A punição é de sete pontos na carteira mais multa de R$ 191,54.

Um dos possíveis fatores que geram dúvidas é a diferença nas datas de aplicação da nova regra. Em Novo Hamburgo, o secretário de Segurança e Mobilidade Urbana de Novo Hamburgo, Fernando Farias, informou ao Portal novohamburgo.org que “o período de orientação já passou” e que as multas serão aplicadas aos motoristas flagrados sem os devidos equipamentos a partir desta quarta-feira.

Já em São Paulo, a Polícia Militar começa a multar apenas a partir do dia 06, e a Companhia de Engenharia Do Tráfego – CET, a partir desta quarta-feira. No Rio de Janeiro, as multas só começarão a ser aplicadas no dia 08. O Departamento de Trânsito do Distrito Ferderal – DETRAN-DF prorrogou a obrigatoriedade do uso de cadeirinhas para o dia 08 de setembro.

Problemas com cintos de segurança

Alessandra Françoia, coordenadora nacional da ONG Criança Segura, diz que a entidade recebe cerca de 20 e-mails por dia com dúvidas de pais sobre a nova lei.
A principal, afirma, é o que fazer para adaptar carros em que o cinto de segurança traseiro é curto demais para prender o bebê conforto ou a cadeirinha.

É o caso de Ana Lúcia Ravagnani, 36, que tem um Ford Fiesta 2008 e não consegue prender a cadeirinha. Grávida de sete meses, ela já comprou o equipamento e se surpreendeu ao constatar que ele não cabia no carro. Tentou outras cadeirinhas, mas nenhuma se adequou.

O gerente do Inmetro Gustavo Kuster é categórico ao declarar que “não existe, no mundo, cadeirinha segura para cinto de dois pontos”. Para a resolução, porém, é indiferente o tipo de cinto, desde que a criança esteja no equipamento determinado.

Informações de Folha.com e Correio Braziliense

FOTO: ilustrativa / GettyImages

Compartilhar

Mega-Sena pode pagar terceiro maior prêmio da história

Avançar »

Governos devem deixar de arrecadar R$ 1 bi em impostos de estádios para Copa

Um comentário

  1. Agenor Jose
    4 de setembro de 2010

    A exemplo do Kit de primeiros socorros, a cadeirinha para cintos de dois pontos é considerado uma raridade e o motorista nao tem opçao.Pergunto qual a diferença de um carro particular com um taxi, um carro publico ou mesmo uma van de transporte de crianças que nao sao obrigatorio o uso de cinto? um secretario de transito no Rio Grande do Sul chegou ao absurdo de dizer que devo trocar de carro, ele diz isso como se fosse como trocar de camisa, pois bem troco de carro e ai o meu carro velho vai para outra pessoa que vai ter o mesmo problema. Acho que basta esse negocio de inventar coisas para encher os bolsos de uns e esvaziar o de outros.
    Se fizerem funcionar as leis que ja existem basta para por fim nos abusos que existe no transito, eles (Contran) vao inventando leis e a maioria fica juntando teia de aranha porque nao sao colocadas em pratica. Veja essa ultima do bafometro,uma lei que deveria ser cumprida a risca e esta ai sendo descumprida por falta de equipamento adequado aos policiais, inventam danças mas nao poem musica para se dançar. como diz o Boris É uma vergonha.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*