Vereadores debatem viabilização do curso de Medicina na Feevale

Segundo reitor, há alguns anos Feevale tentou viabilizar projeto, que esbarrou na época no tópico investimento/infraestrutura. Alertou parlamentares que a situação de hoje não é muito diferente, com o acréscimo de uma nova questão.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Em reunião proposta pelo presidente da Câmara, Antonio Lucas (PDT), foi debatida nesta quarta-feira, dia 31, a possibilidade de a Feevale oferecer o curso de Medicina entre as suas opções de graduação.

Estiveram presentes ao encontro na instituição de ensino o reitor da Universidade, Ramon Fernando da Cunha, o vice-presidente do Legislativo, Naasom Luciano (PT), Cristiano Coller (PDT), o coordenador administrativo da Câmara, Paulo César Rodrigues, e representando o presidente da Casa, o assessor José Gabriel Chassot.

Leia mais

Novo Hamburgo terá curso de Medicina, diz presidente da Câmara

Enquanto esteve à frente da Prefeitura, entre janeiro e o fim de março, Antonio Lucas defendeu a ideia de trazer o curso de Medicina ao Município. De acordo com o parlamentar, a viabilidade da proposta demandava uma avaliação ou parecer da instituição de ensino.

Interesse antigo

Durante a reunião desta quarta, o reitor Ramon expôs as dificuldades do pleito e informou não ser de hoje o interesse da Feevale na inclusão do curso. Ele afirmou que esse questionamento tem sido mais frequente após as manifestações que vêm ocorrendo em todo o país.

Segundo o reitor, há alguns anos a Feevale tentou viabilizar o projeto, que esbarrou na época no tópico investimento/infraestrutura. Ele alertou os parlamentares que a situação de hoje não é muito diferente, com o acréscimo de uma nova questão.

A Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior – ABMES, através da portaria normativa de n° 13, de 09 de julho de 2013, estabeleceu os procedimentos para a pré-seleção de municípios que receberão novas autorizações.

Se estiver dentro do grupo de seleção, a secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior – SERES disciplinará as obrigações específicas para a abertura das vagas para o curso.

Entre as exigências apresentadas nessa portaria estão leitos SUS, públicos e conveniados, por aluno maior ou igual a 5, hospital de ensino ou entidade hospitalar com potencial para hospital de ensino e leitos exclusivos para o curso.

Cautela por parte da Universidade

Ramon mostrou-se cauteloso: “estamos acompanhando os trâmites e, assim que alguma informação favorável surgir, vamos buscar parcerias”, disse aos presentes ao encontro.

Naasom questionou se, em algum momento, faltou apoio ou iniciativa do Poder Público. Para o reitor, as permissões e medidas do governo federal criaram as atuais circunstâncias em que estão os médicos e a saúde.

Conforme Ramon, a universidade, assim como a Câmara, age de acordo com o benefício social. Ele antecipou que, assim que possível, buscará o apoio da casa legislativa.

Informações de CMNH

FOTO: reprodução / Dienifer fiuza / CMNH

Compartilhar

OP 2013 | Bairros da Região 08 pedem foco para Educação, Saúde, Cultura e Pavimentação

Avançar »

Idosa que caiu da maca de hospital morre por parada cardíaca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*