Ruas de Novo Hamburgo ganham nomes

Projetos aprovados em primeira sessão na Câmara de Vereadores dão nomenclaturas completas a vias que só eram identificadas por número nos bairros Santo Afonso e Lomba Grande

Atualmente, diversas vias do município de Novo Hamburgo são identificadas apenas por números – ou não têm nenhuma denominação oficial. Duas delas receberão novos nomes. Dois projetos, um de autoria de Ricardo Ritter – Ica (PDT) e outro de Matias Martins (PT) têm como objetivo mudar esta situação e melhorar a vida de diversos cidadãos. As propostas foram aprovadas em primeiro turno na sessão desta quinta-feira, 18.

Bairro Santo Afonso

O projeto 172/2009, de Ica, denomina Rua Arthur Francisco da Costa a Rua 10, que se inicia na Avenida Nações Unidas e segue na direção aproximada Nordeste no Loteamento Popular Nações Unidas, no bairro Santo Afonso. Arthur Francisco da Costa nasceu em 3 de abril de 1914 em Rio Pardo, filho de João Francisco da Costa e Felicia Francisco da Costa. Ele mudou-se para Novo Hamburgo em 1931 onde trabalhou na Cerâmica Riograndense e em alguns curtumes. Casou-se com Osvaldina Elias e teve seis filhos. Arthur faleceu em 20 de setembro de 1995.

Ica contou que os projetos que nomeiam as ruas no loteamento foram feitos a partir de pedido dos moradores. “É muito difícil, principalmente para os carteiros, quando não há nomes”, explicou. “Agora os moradores vão conseguir receber as correspondências sem problemas.”

Bairro Lomba Grande

O projeto 175/2009, de Matias, estabelece que a estrada popularmente conhecida como Do Banhadão, ainda sem denominação oficial, irá se chamar Rua Orestes Basotti. A via inicia-se na Rua Albano Guilherme Konrath, loteamento Santa Catarina, e segue em direção Noroeste por aproximadamente 300 metros, depois segue em direção geral Nordeste, Leste, Sul, até encontrar a Estrada do Walahai, no bairro Lomba Grande.

Orestes Basotti nasceu em 12 de fevereiro de 1914 em Nova Prata, mas se estabeleceu em Lomba Grande. Casado com Isolina Fabris desde a década de 1930, teve seis filhos e produzia frutas e verduras. A família dividiu a propriedade para abrir passagem. Basotti participou da Cooperativa Agrícola Mista Lomba Grande, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais e da Paróquia São José. Faleceu em 13 de maio de 2003.

Matias disse que, na próxima sessão, quando o projeto será votado em segunda sessão, amigos e familiares de Orestes Basotti devem estar presentes. O vereador apontou ainda que muitos cidadãos têm dificuldades de se localizar naquela área, pois isso a importância do projeto.

Compartilhar

UTILIDADE PÚBLICA – Avenidas serão interrompidas para obras do metrô

Avançar »

Prefeitura abre processo seletivo para coordenadores e oficineiros de projeto esportivo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*