Novo Hamburgo: Alagamentos transformam Centro em “lagoa” e chuva não deve parar tão cedo

VEJA FOTOS! Transitar pela região central de Novo Hamburgo era quase impossível na tarde desta sexta-feira. Previsão é de que tempo só melhore efetivamente na segunda-feira.

 

Felipe de Oliveira felipe@novohamburgo.org

O mundo caiu em Novo Hamburgo nesta sexta-feira, coincidentemente, dia 13.

Tanto o ditado popular, quanto a referência à “sexta-feira 13”, se justificam pelo estado em que se encontrava o Centro depois da chuva que desabou torrencialmente desde a metade da manhã.

Leia Mais

Risco de temporais segue no Rio Grande do Sul e tempo só melhora na segunda-feira

Quem se aventurou a transitar pelas ruas centrais da cidade enfrentava um verdadeiro dilúvio. Era o caso do cruzamento entre as avenidas Nações Unidas e Frederico Linck. Por volta das 14h30min, já não era mais possível saber onde acabava o arroio Luiz Rau e começava a rua. O nível só foi baixar cerca de uma hora e meia depois.

Motoristas que chegavam ao local davam meia-volta e procuravam outra alternativa para chegar ao seu destino. Uma tarefa nada fácil, no entanto, já que a situação era semelhante em várias avenidas. Na Nicolau Becker a água subia quase à metade dos veículos e na região próxima ao hipermercado Big era praticamente impossível trafegar.

alagamento_vanderleiO alagamento transformou o Centro hamburguense em “lagoa”. Um verdadeiro caos que pegou de surpresa até aqueles que já estão acostumados com as enchentes. Vanderlei Bergmann (foto à esquerda), de 38 anos, é desde 1998 zelador do edifício Dourados, que fica justamente na Av. Nações Unidas, imediações do cruzamento com a Frederico Linck. “Nunca tinha visto nada igual durante todos esses anos”, dizia Bergmann, lembrando que mesmo com a chuva forte do último sábado, dia 07 de novembro, o quadro não foi tão crítico. Ele conta que normalmente as águas subiam, mas não passavam do cruzamento. Nesta sexta-feira, seguiram pela Nações Unidas por cerca de 50 metros.

DEFESA CIVIL SOBRECARREGADA

A Defesa Civil do Município recebeu dezenas de chamados. Alagamentos e desmoronamentos lideravam a lista de ocorrência. O Portal novohamburgo.org tentou contato com a sub-chefe Inácia Wasen. Ela estava em diligência e não conseguiu atender. Os telefones para emergência são (51) 3587-9880, em horário comercial, e (51) 99643889 a qualquer hora. A orientação é para que famílias em situação de risco entrem em contato com o órgão imediatamente.

Motoristas davam meia-volta no cruzamento entre Frederico Linck e Nações Unidos

Motoristas davam meia-volta na Frederico Linck com Nações Unidas

Posto de gasolina ficou ilhado por mais de uma hora

Posto de gasolina ficou ilhado por mais de uma hora

Ponte entre as pistas da Avenida Nações Unidas ficou intransitável

Ponte entre as pistas da Avenida Nações Unidas ficou intransitável

Somente caminhões e ônibus tenavam atravessar alagamento

Somente caminhões e ônibus tentavam atravessar alagamento

FOTOS: Felipe de Oliveira / novohamburgo.org

Compartilhar

Adote a entidade do seu coração

Avançar »

Prefeitura trabalha para amenizar danos da chuva

6 comentários

  1. Andre Blauth
    14 de novembro de 2009

    aqui na minha casa, o patio ficou alagado no sabado e agora tambem, acho q o pincipal motivo disto, e as obras do trensurb, que mudaram a situaçao qd temos chuvas forte, pq ate entao nunca aconteceu coisa parecida, ate pq ja vi chuvas parecidas e ate de mais tempo, e nunca chegou nem perto do q esta acontecendo agora, estou indignado com isso, nao podemos mais sair de casa agora qd chover????????

    Responder
  2. Tony Moretti
    14 de novembro de 2009

    Comentário patético do André. O meu pátio também alagou, pela primeira vez em milênios e fica a “milhões de quilômetros” das obras do trem. O que tem a ver. O problema é que a permeabilidade do solo não aguentou o grande volume pluviométrico em tão pouco espaço de tempo. Deixa o trem em paz, retrógrado !

    Responder
  3. Helio Emilio
    14 de novembro de 2009

    Fui testemunha ocular da enxurrada. Realmente, concordo com o André, ainda não havia visto o centro de Novo Hamburgo com tanta água em suas ruas.
    Não tenho conhecimento técnico para concordar ou discordar da opinião do André no que se refere a responsabilidade do alagamento, à construção da linha do trem. O que sei, um dos grandes responsáveis pelos alagamentos é o próprio povo ou a falta de consciência deste povo, que joga de tudo nas suas ruas causando entupimento de bueiros e entulhamento de arroios e rios.
    Não tenho procuração para defender “a ou b” mas percebo que quem mais reclama são as próprias pessoas que não observam a necessidade de manter limpas as ruas e estradas..
    É só circular pelos bairros, para vermos toda sorte de entulhos nas sarjetas e calçadas.
    Não estou isentando de responsabilidade o poder publico, pois todos sabemos que nossas cidades são carentes de uma melhor estrutura de canalizações (são obras escondidas e isso não dá voto)
    Quero salientar, não sou morador de NH, mas circulo bastante por aí. Quero deixar claro que; alagamentos, povo que joga lixo nas ruas, políticos que pouco ou nada investem em esgoto, não é privilégio de NH, todos sabemos disso.

    Responder
  4. Marco Antonio Boccasius Johann
    14 de novembro de 2009

    No sábado pela manhã, nenhuma sinaleira do centro da cidade estava funcionando, por falta de energia elétrica. É claro que não devemos achar culpados pelos transtornos causados por interpéries da natureza. Mas fica uma pergunda: Não havia já um alerta, há dias, de possíveis temporais na região? Se já temos históricos das fragilidades dos serviços públicos nesses casos, como falta de energia, alagamentos, etc, porque o prefeitura ficou indiferente novamente? Digo isso, porque, em todo o centro, não encontrava-se sequer um guarda municipal para orientação e controle do trânsito, onde imperou o caos maior que o verificado diariamente. Será que era tão difícil assim prever essa situação, e tomar providências antecipadamente? Será que os responsáveis também necessitam de energia elétrica para trabalhar? A propósito: o serviço de cobrança da faixa nobre pelo jeito é dotado de “no-break”, pois só num quarteirão, na imediações da ACI, contei três funcionários trabalhando com afinco nas cobranças de estacionamento. Um lembrete: querem aumentar a tarifa de iluminação pública.

    Responder
  5. Alles
    19 de novembro de 2009

    Havia já um tempinho que não acessava o site.Então vamos comentar a notícia.
    Pelo que li, e vi , temos que torcer para que chova só pôr meia hora.
    Se lixo teve durante a enchurrada,colocar a culpa no pessoal da area mais central da cidade,é a mesma desculpa do apagão.
    O rapaz da vega, recolheu o lixo da frente de algumas casas e fez um monte, até para facilitar o recolhimento, só que neste meio tempo veio a chuva e levou tudo.
    A culpa é dos moradores ?????
    O Marco tem razão em seu comentário.
    Dia desses, tive o trabalho de contar até pôr curiosidade, um caminhão da prefeitura estacionado na David Canabarro, tinha 19 ??? isso mesmo, 19 descarregando o tal caminhão.
    No dia das chuvas tinha um pessoal como aquele para atender os Hamburguenses ?

    Responder
  6. marcio
    2 de abril de 2011

    ….os engenheiros querem colocar porto alegre dentro de Novo hamburgo literalmente e isto é so o comeco das brigas sobre alagamento se nao resolverem logo o problema.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*