• Visualizações 646

Exportação de Gado mais do que triplicou

Multiplica a saída de exemplares de propriedades gaúchas para serem engordados e abatidos no Exterior ou em outros Estados.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Além das exportações de gado em pé, agora são frigoríficos de outras regiões do país que vêm ao Rio Grande do Sul em busca de animais de raças de origem britânica.

Com o novo fenômeno, mais do que triplicou, nos últimos cinco anos, a saída de exemplares de propriedades gaúchas para serem engordados e abatidos no Exterior ou em outros Estados.

Só as vendas interestaduais foram multiplicadas por quatro desde 2008. Boa parte são terneiros e animais jovens levados para confinamentos. O principal destino é São Paulo e o comprador, a JBS, que não abate bovinos no Estado.

Para o consultor Fernando Velloso, da FF Velloso & Dimas Rocha Assessoria Agropecuária, além da disposição de parte da população em pagar mais por um produto superior, a busca de gado angus, hereford e cruzas se deve ao movimento dos frigoríficos de substituição das importações do Uruguai e da Argentina.

Velloso calcula que, incluindo o ICMS na venda interestadual e o frete, os frigoríficos estariam pagando um custo adicional de 20% sobre o valor do animal. Pelo preço dos cortes nobres, o investimento parece valer a pena.

Depois de um recuo em 2011, as exportações de gado em pé cresceram 165% em 2012. Segundo Velloso, é reflexo de entraves a vendas externas impostas pelo governo uruguaio. Assim como no país vizinho, a saída de animais para abate é motivo de discórdia entre produtores e indústria. Para pecuaristas, é uma forma de conseguir preços melhores devido à pouca concorrência de frigoríficos.

“Se aqui se paga entre R$ 3,10 e R$ 3,20 (o quilo) pelo boi gordo, na exportação chega a R$ 3,50, R$ 3,60,” ilustra Max Soares Garcia, presidente da Associação dos Núcleos de Produtores de Terneiros de Corte-Sul.

Em São Borja, um grupo de produtores se reuniu para vender animais das raças angus e hereford para confinamentoem outros Estados. O criador Cristiano Ruschel Freitas confirma a tendência de um preço maior neste tipo de negociação com as indústrias.

Para o presidente do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado – Sicadergs, Ronei Lauxen, a situação prejudica a economia gaúcha. O número de 85,5 mil animais levados do Estado em 2012, estima, equivale ao abate anual de três frigoríficos médios. Assim, seriam cerca de 800 empregos diretos perdidos.

A evasão também contribuiria para a ociosidade de cerca de 30% do setor no Estado, além de diminuir a disponibilidade de insumos para o setor coureiro-calçadista, fábricas de rações e produtos pet. Se fossem abatidos no Estado, seriam gerados cerca de R$ 4 milhões em ICMS, projeta.

Informações de Zero Hora

FOTO: reprodução / Zero Hora

Compartilhar

Produção industrial cresce em 9 de 14 locais em janeiro

Avançar »

Inflação semanal de Porto Alegre é a mais alta das sete capitais pesquisadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*