Economia brasileira cresce 1,3% no 1º trimestre de 2011, mostra IBGE

Melhor desempenho foi registrado na agropecuária, seguida da indústria e dos serviços, conforme gerente do instituto.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A economia brasileira registrou crescimento de 1,3% no primeiro trimestre de 2011 sobre os três últimos meses de 2010, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE nesta sexta-feira, dia 03.

Em valores correntes, a soma de todas as riquezas produzidas pela economia no período alcançou R$ 939,6 bilhões. No quarto trimestre de 2010, a expansão da economia fora de 0,8% sobre os três meses anteriores, segundo revisão do IBGE divulgada nesta sexta. Na divulgação de dezembro de 2010, o número anunciado fora 0,7%.

“O melhor desempenho foi dado à agropecuária, devido principalmente à agricultura. Esse é um ano bom, com previsão de recorde da safra agrícola”, disse Rebeca de La Rocque Palis, gerente da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE. Nesse tipo de comparação, a alta da agropecuária foi de 3,3%, seguida da indústria (2,2%) e dos serviços (1,1%).

Na comparação anual, com o primeiro trimestre de 2010, o PIB teve avanço de 4,2%. De acordo com o IBGE, entre as atividades econômicas, os maiores destaques foram observados no setor de serviços, que cresceu 4%, seguido pela indústria (3,5%) e pela agropecuária (3,1%).

Sobre o trimestre anterior, o crescimento da indústria foi de 2,2%, com a maior influência partindo da indústria de transformação (2,8%). Também apontaram crescimento construção civil (2%) e eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (0,7%). Na seqüência, aparece o setor de serviços, que teve alta de 1,1%, com os maiores aumentos vindos do comércio (1,9%) e transporte e armazenagem e correio (1,7%). Os serviços de informação tiveram crescimento de 1,1%, seguidos por administração, saúde e educação públicas (0,9%) e atividades imobiliárias e aluguel (0,2%).

A formação bruta de capital fixo (investimentos planejado) teve expansão de 1,2% no primeiro trimestre deste ano, ultrapassando a alta de 0,4% nos três meses anteriores. “A importação e a produção interna de máquinas e equipamentos cresceram mais do que o setor de construção civil, o que favoreceu os investimentos”, afirmou a gerente do IBGE.

Despesa das famílias desacelera

Depois de três trimestres seguidos de crescimento, a despesa de consumo das famílias desacelerou, apontando variação de 0,6% no primeiro trimestre de 2011. Já a despesa de consumo da administração pública cresceu 0,8%.

“As medidas macroprudencias do Banco Central e o aumento das exigências de empréstimos para pessoas físicas influenciaram na redução da despesa de consumo das famílias”, disse Rebeca.

Quanto ao setor externo, há registro de quedas nas exportações (-3,2%) e nas importações de bens e serviços (-1,6%). Depois da crise de 2008, houve um crescimento muito alto do extrativismo mineral. No 4º trimestre de 2010, a extração cresceu 25% e, agora, cresceu 5%. “Não houve queda na produção, mas cresceu bem menos do que no fim do ano passado”, ressaltou. “Isso também exerce efeito sobre as exportações, que teve queda neste primeiro trimestre.”

Informações de portal G1

FOTO: ilustrativa / stock.xchng

Compartilhar

Novas regras para cartão de crédito passam a valer em todo o Brasil

Avançar »

Produção industrial cai em nove das 14 regiões pesquisadas pelo IBGE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*