• Visualizações 539

Governo investigará disparada do seguro-desemprego

Governo agora vai “investigar profundamente” causas do aumento das despesas com seguro-desemprego e abono salarial, que já somam R$ 47 bilhões este ano, ou 1% do PIB, segundo ministro Mantega.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Fraudes cometidas principalmente por empresas devem estar por trás da disparada dos gastos com seguro-desemprego, admitiu nesta segunda-feira, dia 04, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, depois de reunir-se com dirigentes de centrais sindicais para discutir o assunto em São Paulo.

“Que existe fraude, todos nós sabemos. E temos que coibir. Me parece que a iniciativa é dos empregadores. Não acredito que seja iniciativa dos trabalhadores”, disse Mantega.

Em razão disso, o governo agora vai “investigar profundamente” as causas do aumento das despesas com o seguro-desemprego e o abono salarial, que já somam R$ 47 bilhões este ano, ou 1% do Produto Interno Bruto – PIB, segundo o próprio Mantega. “O seguro-desemprego aumenta atipicamente no Brasil, um país com níveis de pleno emprego”, afirmou o ministro.

Os dados mais recentes de desemprego e do desembolso com o seguro mostram o desequilíbrio citado por Mantega. De acordo com os números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE divulgados na última semana de outubro, a taxa de desemprego ficou em 5,4% em setembro. Já de acordo com o Ministério de Trabalho e Emprego – MTE os pagamentos do seguro-desemprego em outubro somaram R$ 2,6 bilhões, valor R$ 1 bilhão superior ao pago pelo governo em setembro.

Um novo encontro com as centrais sindicais foi marcado para a próxima quinta-feira, quando os sindicalistas trarão uma proposta conjunta para reduzir os gastos com os dois benefícios.

Segundo o ministro, é preciso investigar se há excesso de rotatividade em uma economia que vive o pleno emprego e se existem fraudes de empresários, que estariam demitindo mas mantendo os empregados no quadro de trabalhadores informalmente.

Informações de terra

FOTO: reprodução / AFP

Compartilhar

Economistas recomendam usar 13º salário para quitar dívidas

Avançar »

Somente 1,6% das pessoas que moram em favelas têm curso superior

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*