• Visualizações 1051

Rio Grande do Sul está no topo do desarmamento no Brasil

Dados do Ministério da Justiça indicam que a população gaúcha está mais engajada à campanha nacional iniciada em 2011.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

Um balanço do Ministério da Justiça aponta que o Rio Grande do Sul está entre os Estados que mais entregaram armas de fogo nos quatro primeiros meses deste ano, atrás apenas da Bahia e de Alagoas.

Com base em dados da terceira campanha nacional de desarmamento, iniciada em 2011, os gaúchos são os que mais entregaram armamentos, proporcionalmente à população.

O recuo do Estado em 2013, se comparado com os números acumulados desde o início da campanha Tire uma Arma do Futuro do Brasil, não é motivo de preocupação, avalia o secretário-adjunto da Segurança Pública, Juarez Pinheiro.

Para ele, o período analisado é restrito, e os dados precisam ser analisados como um todo. Desde o início da nova campanha (as outras ocorreram em 2003 e 2008), o Estado aparece no topo da lista, com mais de 8,5 mil armas entregues.

O número, ressalta Pinheiro, mostraria uma mudança de comportamento dos gaúchos a respeito do tema. No referendo sobre a proibição da venda de armas em território nacional, o Rio Grande do Sul foi o Estado com maior rejeição à iniciativa, 86,83%, enquanto a média nacional foi de 63,94%.

“Duas razões nos levaram a esta liderança. A primeira é que houve uma releitura da sociedade, de que possuir uma arma de fogo não traz mais segurança para a pessoa, ao contrário, traz mais risco à vida. A segunda é porque nós fizemos uma grande rede entre delegacias e quartéis da Brigada Militar, além da Polícia Federal, para receber as armas. Nós temos 231 pontos,” afirma o secretário-adjunto, lembrando que episódios como o massacre em uma escola em Realengo, no Rio, em abril de 2011, provocaram uma reflexão sobre a atitude de ter uma arma de fogo em casa.

Êxitos da atual campanha são atribuídos, entre outros fatores, ao anonimato de quem faz a entrega, à inutilização do equipamento no momento em que é deixado em um posto de coleta e à rapidez em que se recebe a indenização.

Números

— 627.725 armas foram entregues no Brasil desde 2004

— 74.865 foram recolhidas desde 2011, ano em que começou a terceira campanha do desarmamento

— 8.593 armas foram entregues no RS entre maio de 2011 e fevereiro de 2013

Como é feita a entrega

– Para entregar uma arma de fogo, o dono deve se dirigir a um ponto cadastrado (no Rio Grande do Sul, há postos de Brigada Militar, Polícia Civil, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal habilitados). É importante retirar uma guia de trânsito para transporte da arma no site da Polícia Federal.

– A arma deve ser entregue descarregada e embalada. As munições, pelas quais não se recebe indenização, devem ser carregadas separadamente. A identificação de quem quiser entregar a arma não é obrigatória.

– As armas serão inutilizadas no ato da entrega nos postos credenciados. Posteriormente, serão encaminhadas ao setor especializado da Polícia Federal para o descarte total, que poderá ser feito por meio da queima em fornos industriais de alta temperatura.

– Para receber a indenização, é necessário fazer um cadastro no posto de entrega antes de receber um protocolo do Banco do Brasil, para onde levará o documento. A indenização fica disponível para saque 24 horas após a entrega da arma e permanece por 30 dias.

– O valor varia de R$ 150 a R$ 450, conforme a arma de fogo. Em caso de impossibilidade no recebimento da indenização, deve-se preencher um formulário no site Entregue a sua Arma e aguardar contato do Ministério da Justiça.

Mais mortes do que em países em conflito

O Mapa da Violência 2013 aponta que são vários os motivos que explicam os elevados níveis de mortalidade por arma de fogo no Brasil, entre eles a facilidade de acesso (o arsenal nas mãos da população é estimado em 15,2 milhões), a cultura da violência e a impunidade.

Esses fatores, explica o professor de Criminologia da PUCRS Augusto Jobim do Amaral, fazem com que a população lance mão da arma para resolver conflitos. Uma informação apresentada no relatório é que, entre 1980 e 2010, registros do Ministério da Saúde contabilizam um total de 799.226 cidadãos vítimas de armas de fogo no país. Desses, 450.255 tinham entre 15 e 29 anos.

“O dado estarrecedor é que, no Brasil, o número de mortes decorrentes de arma de fogo é maior do que o dos últimos 12 conflitos armados no mundo inteiro. Ou seja, a gente mata mais do que os conflitos armados,” salienta Jobim.

Conforme o secretário-adjunto da Segurança Pública, Juarez Pinheiro, aproximadamente 72% das mortes violentas no Rio Grande do Sul são por armas de fogo. Ao defender o desarmamento, ele usa uma pesquisa do FBI (a polícia federal americana) mostrando que, em cada êxito no uso para proteção pessoal, ocorrem 185 mortes: Outro dado muito significativo é que 30% das armas que são adquiridas de forma legal acabam nas mãos da criminalidade.

Informações de Zero Hora

FOTO: reprodução / Zero Hora

Compartilhar

Brasil x Inglaterra será teste final de segurança para Copa das Confederações

Avançar »

Índice de usuários satisfeitos com serviços de telecomunicações cai em 10 anos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*