Inflação no varejo acelera em seis das sete capitais pesquisadas

Em Porto Alegre, classes de despesa como Educação, Leitura e Recreação e Vestuário apresentaram aceleração nas taxas de variação.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A inflação do varejo acelerou em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getúlio Vargas – FGV para cálculo do Índice de Preços ao Consumidor – Semanal – IPC-S de até 15 de janeiro.

Segundo o que a fundação informou nesta terça-feira, dia 18, da primeira para a segunda quadrissemana de janeiro deste ano, o destaque novamente ficou com São Paulo, cuja inflação saltou de 0,67% para 0,92% no período. A cidade de São Paulo é a de maior peso no cálculo do IPC-S, entre as sete pesquisadas, e representa quase 50% do total do indicador.

As outras cidades que mostraram taxa de inflação mais forte, no mesmo período, foram Recife (de 0,86% para 0,87%); Rio de Janeiro (de 1,27% para 1,36%); Brasília (de 0,75% para 0,82%); Salvador (de 1,06% para 1,18%); e Porto Alegre (de 0,99% para 1,10%).

A única cidade, entre as analisadas, a apresentar desaceleração de preços foi Belo Horizonte (de 0,93% para 0,91%).

Capital tem inflação na 2ª semana do mês

O IPC-S da cidade de Porto Alegre registrou variação de 1,1%, na apuração realizada na segunda semana de janeiro. O resultado foi 0,11 ponto percentual superior ao divulgado na primeira semana de janeiro, que foi de 0,99%.

Seis das sete classes de despesa componentes do índice apresentaram aceleração em suas taxas de variação, entre as quais se destacam os grupos Educação, Leitura e Recreação e Vestuário, cujas taxas passaram de 1,34% para 2,78%, e de -0,21% para 0,15%, respectivamente.

De acordo com a análise, as pressões acima da variação média foram exercidas também pelos grupos Alimentação, 2,20%, e Despesas Diversas, 1,25%. Se situaram em nível abaixo da variação média os grupos Saúde e Cuidados Pessoais, 0,30%; Vestuário, 0,15%; Habitação, 0,12%, e Transportes, -0,14%.

Informações de Estadão e JCRS

FOTO: ilustrativa / GettyImages

Compartilhar

Educação e Transportes puxam pressão inflacionária

Avançar »

Taxa utilizada nos contratos de aluguéis desacelera

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*