Reajuste de contratos de aluguel segue em ritmo de desaceleração

Índice Geral de Preços – Mercado aponta que despesas com vestuário, habitação, educação, leitura e recreação estão mais baratas.

Da Redação redacao@novohamburgo.org (Siga no Twitter)

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Mercado – IGP-M, utilizado para reajuste da maioria dos contratos de aluguel, manteve a desaceleração em julho na comparação com o mês anterior.

O índice informado nesta quinta-feira, dia 29, pela Fundação Getulio Vargas – FGV, registrou variação de 0,15% em julho, no fechamento do mês. Em junho, a variação havia sido de 0,85%. No ano, o índice acumula alta de 5,85% e, em 12 meses, de 5,79%.

Em julho, o Índice de Preços ao Produtor Amplo – IPA, que representa 60% do IGP-M, apresentou taxa de variação de 0,20%. Em junho, havia sido de 1,09%. O índice relativo aos bens finais teve variação negativa, de 0,34%. Em junho, também foi negativa, de 0,42%. O índice referente ao grupo Bens Intermediários variou 0,01%. Em junho, a taxa foi de 0,80%.

O índice de matérias-primas brutas variou 1,22% em julho ante variação de 3,67% no mês anterior. Os itens minério de ferro (de 23,05% para 2,48%), leite in natura (de 1,66% para -5,97%) e milho em grão (de 3,00% para -3,49%) foram os principais responsáveis pela desaceleração do grupo. Na contramão, estão cana-de-açúcar (de -3,42% para 0,58%), aves (de -1,46% para 4,05%) e bovinos (de -0,20% para 1,99%).

O Índice de Preços ao Consumidor – IPC, que também compõe o índice teve variação negativa, de 0,17%, em julho. Em junho, foi de -0,18%. Quatro das sete classes de gastos que integram o índice tiveram avanços em suas taxas de variação.

MAIS CARO – Gastos com despesas diversas (de 0,44% para 0,85%), alimentação (de -1,36% para -1,05%), transportes (de -0,17% para -0,06%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,46% para 0,54%) tiveram avanços. Os destaques foram cigarro (de 1,73% para 2,68%), frutas (de -0,56% para 1,33%), álcool combustível (de -6,35% para -1,39%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,34% para 0,78%).

MAIS BARATO – As despesas com vestuário (de 0,93% para -0,28%), educação, leitura e recreação (de 0,10% para -0,13%) e habitação (de 0,40% para 0,23%) apresentaram desaceleração. Nessas classes de despesa, as maiores contribuições foram de roupas (de 0,94% para -0,29%), passagem aérea (de 6,47% para -6,28%) e tarifa de eletricidade residencial (de 1,24% para 0,46%).

Informações de portal G1

FOTO: ilustrativa / stock.xchng

Compartilhar

Indústria se mantém estável em junho na comparação com maio

Avançar »

Superávit primário chega a R$ 40 bilhões no primeiro semestre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*