Bandidos planejavam apenas “metê um carro”, diz réu confesso sobre latrocínio de advogada

Preso no último sábado, Felipe Soares, o Alemão, assume participação na morte de Viviane Maris Rieck dos Santos, em Novo Hamburgo, e relata detalhes do crime à polícia.

Da Redação redacao@novohamburgo.org

Menos de uma semana depois, a Polícia Civil já sabe em que condições ocorreu o latrocínio que vitimou a advogada Viviane Maris Rieck dos Santos, 47 anos.

Leia Mais

Vídeo mostra momento em que advogada é abordada por bandidos

Felipe Soares, 21, o Alemão, foi preso na manhã do último sábado, dia 22, e assumiu participação no crime, relatando detalhes à polícia. Segundo o assaltante, a intenção dele e do comparsa, Carlos Regis Silva dos Santos, 26, que seria o autor do disparo que matou Viviane, era apenas “metê um carro”.

Os bandidos usariam o veículo para novos crimes. Teriam ficado “apavorados” ao ver a advogada baleada, no entanto, e por isso fugiram. O depoimento de Soares contradiz Santos, que ao ser preso no dia do latrocínio – quarta-feira, 17 de março – negou envolvimento.

Além de tornar-se réu confesso, Alemão alegou à polícia ser “criminoso de status” e pediu para ser levado à  Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas – Pasc. Ele estava desde 18 de fevereiro foragido do semiaberto da Colônia Penal Agrícola de Charqueadas, onde cumpria pena por assaltos. Acabou conduzido à Penitenciária Modulada de Montenegro, onde já estava o outro bandido, que também tinha antecedentes e estava em liberdade condicional desde 02 de julho de 2009 por roubo à mão armada.

REVÓLVER – O revólver calibre 38 usado no latrocínio da advogada foi encontrado no final da tarde de sábado em um matagal da rua Campo Bom, no bairro Canudos, perto das casas dos acusados. Alemão não disse onde foi deixado, mas os agentes encontraram por meio de informações colhidas nas imediações.

A arma está registrada em nome de um homem que morreu há 18 anos em Soledade. É a prova de balística que faltava, já que o projétil que matou Viviane saiu do corpo e não foi encontrado. Alemão contou apenas que comprou a arma em Porto Alegre logo depois da última fuga.

O crime

Viviane dos Santos (foto) foi morta quando deixava o Hipermercado Bourbon, no bairro Pátria Nova, por volta das 13h35min. Foi abordada pelos assaltantes ao sair do estacionamento dirigindo seu Renault Clio Sedan, assustou-se e tentou fugir. Carlos dos Santos pendurou-se na janela do veículo e disparou contra a vítima na esquina das ruas Tomé de Souza e João Pessoa. O tiro entrou pela axila esquerda e parou no coração.

A versão inicial foi confirmada por Felipe Soares, que revelou outros detalhes. De acordo com ele, a dupla embarcou em um ônibus no bairro Canudos em direção ao Centro disposta a roubar um carro. Na esquina da Rua Otto Kopschina com Saldanha Marinho, também no Pátria Nova, avistou um carro saindo de uma garagem, mas desistiu do assalto porque o motorista se mostrava alerta e seria policial. Na Rua Tomé de Souza, os bandidos se interessam pelo Clio dirigido por Viviane.

FUGA – Carlos dos Santos tira a advogada do carro depois de atirar contra ela, Alemão assume a direção e os dois fogem até o bairro Canudos pela Avenida Victor Hugo Kunz. Entram na rua Ícaro e abandonam o Clio na Colúmbia para tentar se livrar da culpa. Santos pega a bolsa com documentos e celular da vítima.

A dupla se separa e não se fala mais. Alemão vai à casa da mãe na carona de um motoboy e pede que ela lave seu tênis para tirar manchas de sangue da vítima. Calça chinelos e, com o mesmo motoboy, sai para lanchar em um bar na rua Vereador Oscar Horn, perto de uma escola.

FOTO: arquivo / novohamburgo.org

Compartilhar

Novo Hamburgo: Mulher de 71 anos morre atropelada por ônibus da Futura

Avançar »

Piscicultores e autoridades no lançamento da Festa do Peixe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*